Caminhando Pela Estrada da Velhice

Neste último 8 de setembro, quarta-feira, acabamos de receber várias mensagens na rede social, no telefone e no e-mail, sobre esta data em que adentramos, os noventa e seis anos de existência.

Essas agradáveis congratulações foram enviadas por alguns jovens e diversos provectos, indagando como se sentia alguém que chegou a essa gloriosa idade, em relativa atividade profissional e razoável condição de saúde.
O conceituado intelectual e um dos maiores escritores da América Latina, Jorge Luiz Borges, argentino, dizia que a “velhice pode ser nosso tempo de ventura. O animal morreu, ou quase. Restaram a alma e o homem”. Então as lembranças instantaneamente voltam à mente, espetacularmente como em um filme de curta metragem, revolvendo o passado, rememorando os bons e os dias infaustos, numa sucessão ininterrupta de emoções.
Isto produz alegria e na mesma rapidez melancólica que fere profundamente a alma. Mas a alegria sempre impera por causar enorme bem, dentro das limitações possíveis, em poder continuar com certa satisfação.

Contudo, não devemos esquecer que o tempo será sempre algo que a todos intriga. O passado vai ficando cada vez mais extenso e o futuro mais exíguo, com menos esperança e inquietador.
Fazer o quê?

Se dependesse de nós, faríamos com o tempo o que sabiamente se faz nas partidas de basquete (ou bola ao cesto), um esporte popular dos mais apreciados. No basquete – quem conhece sabe muito bem-se a bola para o cronômetro imediatamente para. O tempo morto não é faturado. Mas a vida celeremente vai passando, com seus dramas, comédias, alegrias, tristezas e mutações em todos os sentidos.

Lamentável e é pena que a vida não siga a sinalização do cronômetro. Os tempos mortos não deviam contar. Vou dormir? Zero o cronômetro. Es tamos bestando, sem fazer coisa alguma, sem pensar em nada. Compasso de espera. A esta altura da vida, estamos na flor da vida, ou melhor, da idade E para o futuro não devemos esquecer os sorrisos e agradecer pelo que foi feito ou então, o que poderá ser feito.

Nesta estrada, onde muitos já trilharam, continua a jornada. Graças ao Bom Deus, Tercis de Melo Almada, José Pires Germano, Oswaldo Piedade, José Ramos, Carlos José de Oliveira, Paulo Guarnieri de Lara, Dirceu Guarnieri, Nildes Aguiar, Zilda Cardoso, Nilton Albuquerque, Roque Guilherme, Antônio (Ico) Murat, Alcir Souza Viana e outros ilustres cidadãos das mais diferentes camadas sociais itapetininganas.

Últimas

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Prefeitura abre Refis 2021 para os contribuintes

Começou nesta quarta-feira, dia 22, o Programa de Recuperação Fiscal de Itapetininga (Refis) 2021 de Itapetininga. O contribuinte pode parcelar suas dívidas municipais, como ISSQN, IPTU, ITBI e outros impostos...

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Casos de furto aumentam 17% em Itapetininga

Nesta semana as cenas de violência contra um idoso durante um assalto no Centro de Itapetininga chamaram atenção para o assunto de segurança no município. Dados da Secretaria de Segurança...

Cidade não tem plano municipal de arborização

Cidade não tem plano municipal de arborização

A prefeitura de Itapetininga informou, por meio da Secretaria de Meio Ambiente que o plano está sendo elaborado. Segundo o executivo, em 2021 foram realizados até o momento 125 corte...

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores se preparam para o plantio da soja

Produtores de soja se preparam para o inicio do plantio da soja que começou em 16 de setembro. O calendário de semeadura estabelecido para o plantio da soja vai até...

Semeando Talentos está em busca de jovens profissionais

Duratex oferece curso profissionalizante

A Dexco, detentora das marcas Duratex e Durafloor, alinhada à sua estratégia de ESG (sigla em inglês para ações ambientais, sociais e de governança), mantém o compromisso de fomentar ações...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga