CARNAVAL INGÊNUO

Outrora, a maior diversão das crianças, no carnaval, era a guerra de água.
O líquido podia ser usado à vontade, pois vinha do rio, que nunca secava, e estava sempre disponível, na torneira mais próxima. Havia uma infinidade de bisnagas à venda, e caminhonetes saiam lotadas, molhando quem estava no percurso.
Políticos e corruptos notórios não eram retratados pelas máscaras da época, embora servissem de tema para uma ou outra marchinha. As máscaras, em sua maioria eram feitas em papel, retratando mais monstros que donzelas.
No interior, o carnaval de rua era pequeno, e a maioria das festas acontecia nos clubes. Havia o clube rico, onde aconteciam muitas brigas e poucas facadas.
Na periferia, nos clubes apelidados de “pega cria”, o ambiente variava de violento, por meia hora, a calmo, por cinco minutos. Para conversar com alguma moça, o cidadão forçosamente passava pela reação enciumada e vigilância do ex-namorado, atual namorado, irmãos e parentes próximos da pretendida.
Pobres ou ricos, todos buscavam a maneira mais econômica e rápida de embriaguez. As bebidas mais consumidas eram o Fogo Paulista e a Farmácia, misturas explosivas.
Nos salões, as mulheres dançavam sobre a mesa, enquanto o marido roncava em uma cadeira. Com extrema coragem, as moças pulavam descalças, e conseguiam o milagre de poucos pisões.
Bêbados dividiam-se quanto ao comportamento. Uns ficavam valentes, outros chorosos, enquanto alguns dormiam ou faziam juras de amor e pedidos insanos de casamento.
Antes da Aids, os preservativos visavam evitar outras doenças e, principalmente, casamentos, na delegacia ou igreja. Não existiam motéis, mas sobravam matos, veículos e casas em construção.
A polícia era mais informal, e a pena começava a ser aplicada já na entrada do camburão. Parentes e amigos corriam, tentando reaver os restos do conduzido.
Confetes e serpentinas animavam e embelezavam o ambiente, e borrifar alguém com lança-perfume era um ato de cortesia. Blocos e conjuntos saiam pelas ruas e salões, entoando as marchas da época.
Muitos aproveitavam o período para viagens, enquanto outros reuniam-se em retiros. A maioria passava o carnaval churrascando, e eram raros e magérrimos os vegetarianos.
Eram poucas as vítimas de acidentes, pois era reduzido o número de veículos, e quase impossível a velocidade, em meio a tantos fenemês e carroças.
Com o auxílio de bambus e palhas de aço, era possível entender a imagem e som dos televisores, que não transmitiam carnavais em tempo integral. No mister, retrocedemos.
É difícil evitar uma pontinha de saudade, dos carnavais de outrora, nas pequenas cidades do interior. Mais difícil ainda é chegar ao fim do texto, sem um tema a explorar. Desculpem !

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga