CHEGA DE PAZ

Confesso que ensaiávamos um artigo pregando muita paz e prosperidade a todos, em 2014.
Não conseguimos. A utilização de um jato da FAB, para a realização de implante de cabelos, mudou-nos a opinião, sedimentada há décadas.
A paz e calmaria social só são úteis a povos civilizados, que contam com instituições sólidas e cidadania plena. Nada edificam, em povos subjugados e pouco ilustrados, como nós.
Fizemos a boa fama de povo ordeiro e pacato, quando sabem as esquinas que somos, em verdade, mansos e maliciosamente resignados. Consta que somos uma democracia, presidencialista, mas vivemos a mais descarada das ditaduras parlamentaristas.
Dizem as sondagens de opinião que somos, a maioria, honestos e trabalhadores. Honestos não elegem desonestos, e trabalhadores não são representados pelos que fizeram da política profissão.
Povos amadurecidos e civilizações respeitadas passaram por profundas crises, guerras e conflitos sociais. Possuem história, e aprenderam pela via nada pacífica dos embates.
Por aqui, toda crise é contornada, todo conflito é desprezado, e toda solução duradoura é postergada. Nosso poço não tem fundo.
Estando ou não no poder, quem manda, de fato, no Brasil, são os corruptos, os que iludem, os que malversam, os que empregam apaniguados e aparelham o Estado. Foi assim ao longo de grande parte de nossos cinco séculos.
Se o regime é fechado, os corruptos auxiliam o combate aos revoltosos. Se é, bem ou mal, aberto, os corruptos auxiliam a viabilização dos sonhos de poder.
A paz, em nosso meio, é maléfica. Se um jato da FAB pode ser utilizado para uma viagem destinada a um mero implante de cabelo, em nada assemelhado ao trato de assunto de relevância pública, a paz realmente não tem gerado soluções duradouras.
A cantilena, já a entoamos, de que a urnas fatalmente levarão ao respeito à cidadania, parecem, agora, fundo musical de conto de fadas. O resultado das urnas são reflexos de favores oficiais, ofertados com nome e sobrenome, produto de mágicas e peripécias marqueteiras e absoluta falta de educação de grande número de votantes.
A corrupção e os desmandos vicejam em ambientes pacíficos, e, quanto mais manso o povo, mais cruéis os mandatários. O ressarcimento, aos cofres públicos, do montante gasto na já famosa viagem do implante, não perdoa o malfeito, nem desestimula a repetição do inusitado.
Hospitais congestionados, segurança pouca, educação sofrível, proliferação irresponsável de gastos inúteis e cinismo à larga, merecem mais que atitudes pacatas e mansas. É chegada a hora das instituições da sociedade civil saírem de suas cavernas e acenarem para o fim da paz que escraviza e deprime.
Convém bater panelas e sair às ruas, paralisando o país enquanto a situação de descalabro e desonestidade perdurar. Estar parado é melhor que caminhar para o pior.

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga