Como eram orgulho os quintais de outrora

Sem escarpas sufocantes, agradáveis e suaves eram os pomares existentes em quase todo quadrante de Itapetininga. Do antigo Paquetá e hoje moderna Vila Rio Branco, até o lendário Mato-Seco, passando pela alegre Vila Santana ou também a central Vila Aliança, abrangendo enfim toda Itapetininga, os quintais floresciam com as variedades de verduras, a produção razoável e substanciosa de frutas de qualidades diversificadas.
Ausente de qualquer espírito empresarial, tanto o modesto e humilde morador como o cidadão abastado dedicavam-se a cuidar caprichosamente da área, praticando a atividade como saboroso trabalho e lazer, como uma relaxante prática que dominava todo cidadão.
Constituia-se uma tendencia citadina, o cultivo de hortas e pomares, como o agrião, couve, espinafre, aipo, alcachofra, cheiro verde ou outros similares de alto valor alimentício, mas também pelo seu uso medicinal. Como plantas destacavam-se alecrim, sabugueiro, louro, carquejo etc… Tendo a importante função de purificar o organismo, expelindo as toxinas, neutralizando a acidez do sangue, suprindo a falta de outros alimentos, além de outras propriedades benéficas.
Frondosos ou frágeis, os pés de frutas faziam parte da cultura dos moradores da cidade e da zona rural, zelando pelas plantações de banana, abacate, limão, laranja, mamão, cidra, castanha, carambola, tangerinas, caqui, pêssego, pêra entre outras variedades construtoras do organismo humano e seus alimentos mais úteis e saudáveis. E, cada cidadão sentia-se orgulhoso em ter o quintal “recheado de frutas e verduras”.
Eram os quintais também floridos e perfumados, embora no local alguns moradores criassem galinhas, tudo para consumo próprio ou para servir cortezmente, e de graça, aos vizinhos. Uma fórmula de um melhor e mais estreito relacionamento entre a comunidade. Pode-se dizer que “o século 20 foi, sem dúvida, um século ainda de humanismo, contrastando com o atual: o século da tecnologia”.
Desses pequenos ou grandes espaços, que sempre encheram os olhos de satisfação e bem-estar, muitos ainda não esqueceram que houve homenagens em composição musical de autoria dos inesquecíveis Sivuca e Paulinho Tapajós, nas vozes de Fagner ou Elizeth Cardoso, tendo como tema a nostalgia dos antigos quintais (“No tempo dos quintais”).
Foram célebres e conhecidas as hortas e pomares localizadas em quintais da rua Quintino Bocaiuva – residência primeiramente de João Duarte e depois de Fernando Pereira de Moraes; a famosa área, incluindo quase um quarteirão pertencente a “Nha Cezária”; a de Abilio Ayres de Aguirre, ex-prefeito local, em local hoje ocupado pela Vila Palmeira; os grandes quintais das vilas Ozi e Messias, além do atual Solar dos Rezendes, todos na Quintino Bocaiuva, a antiga Rua do Gado. Não menos célebres foram a de Antonio Souto, proprietário da antiga charutaria, cujo prédio foi recentemente demolido; os quintais verdejantes da rua Venâncio Ayres, sob a responsabilidade de um cidadão descendente da Espanha. Sobressaia-se, igualmente, os existentes pomares e hortas nas ruas General Carneiro, General Glicério, Silvia Jardim, Joaquim Leonel, além das hortas das vilas Santana, Paquetá, Carrito e em outros cantos da cidade. Bem lembra Roberto (pastel) Duarte que “a época era de solidariedade e amor entre a população, onde emprestar ou doar uma pequena quantidade de fruta e verduras era verdadeiro ato cristão e sem qualquer interesse”.

Últimas

Correio Político 1002

Correio Político 1002

Tabata Amaral Um importante projeto para criar um protótipo de uma cadeira de rodas movida apenas pelos movimentos da cabeça, está sendo desenvolvido no Campus de Itapetininga do Instituto Federal...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Itapetininga perde Alceu Nanini

Esta semana faleceu o empresário Alceu Nanini. Católico fervoroso, teve uma vida exemplar dedicada a ajudar o próximo. Pessoa muito querida na cidade, Alceu foi vice-prefeito e vereador. Uma grande...

Rita de Cássia Moraes Leonel

O Pint of Science Itapetininga foi um sucesso

A avaliação de Cassiano Terra Rodrigues , organizador do evento , é que o Pint of Science Itapetininga 2024 foi um sucesso, com  participação intensa , diversificada e altamente gratificante....

Rita de Cássia Moraes Leonel

O impacto das chuvas do RS no agronegócio brasileiro

Por Maria Clara Ferrari - graduada em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agronomia de Paraguaçu Paulista em 1980, Latu Sensu em Gestão Agroindustrial pela Universidade Federal de Lavras. Experiência...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.