Conversando e cantando… eram as conhecidas lavadeiras da caixa d’água

Em muitos momentos daquelas décadas do início de 30 ao final de 1960, os que passassem pelos lados do Colégio Imaculada Conceição, ouviriam, naturalmente surpresos e com uma certa emoção, as vozes entoando o famoso samba do antológico compositor da música brasileira, Cartola: “…ensaboa mulata, ensaboa…”, em ritmo dos mais cadenciados e agradáveis. Eram as quase cem lavadeiras que cantavam no antigo Largo da Caixa D’Água, ou Cruzeiro, onde se situam atualmente o Ginásio Esportivo Mario Carlos, o Centro de Saúde, a Escola Yolanda Carvalho Pinto e a agência do INSS, além da Casa da Agricultura.
Naquela área, um pouco distante do centro da cidade, diversos tanques de cimento, construídos por iniciativa do prefeito Abílio Ayres de Aguirre e consolidados por Francisco Lisboa, os tanques, separados uns dos outros, mas em um só sentido, recebiam toda água de uma caixa existente nas proximidades e que provinha do primeiro manancial que fornecia o líquido à população: o de Mato-Seco, construído em 1908, no bairro do mesmo nome.
Eram diariamente mais de cem mulheres, variando de idade, condição social, raça ou cor, mas todas unidas, trabalhando num só objetivo: lavar, enxugar e entregar as peças às freguesas residentes em vários pontos da cidade. Por muitas vezes, enquanto os tanques eram ocupados, formavam-se filas, aguardando cada uma a sua vez de trabalhar. Organização perfeita e sem qualquer turbulência. Enquanto esfregavam e torciam as peças, elas se deliciavam em conversar, contando causos, histórias, revelando fofocas, piadas e, principalmente, cantando músicas das mais expressivas e cadenciadas de acordo com as batidas das peças nas superfícies do tanque. Quem assim explica e vivenciou a época, Geraldo Ferruci, o Geraldino Pintor, lembrando que sua avó Dona Generosa Maria, todos os dias lavava e passava dezenas de peças de roupas, não só para familiares como para particulares.
Eram as Marias, Bernadetes, Rosas, Nhás Cândida e Sinhara. Célias e tantas outras, que trabalhavam para aumentar o orçamento de suas casas e sem qualquer constrangimento em realizar as tarefas, que consideravam das mais dignas e decentes.
Algumas, mais sofisticadas e cobrando um pouco a mais, empregavam os sabões Minerva, Gessy ou o Carioca, enquanto que as mais humildes utilizavam o sabão de cinza, preparado com sebo, soda cinza e gordura, também com ótimos resultados.
Após torcer e esfregar as roupas, elas eram colocadas para quarar ao sol, em plena grama, e posteriormente embaladas em trouxas para a entrega à freguesia. No cair da tarde, como um espetáculo preparado, as lavadeiras, em rodilha de tecido ou colcha colocada na cabeça equilibravam as trouxas, por vezes pesadas, e as levavam aos destinatários. Um espetáculo que se incorporou à paisagem da época: elas, com o fardo de roupa na cabeça, eretas, em passos firmes, postura dominadora, com elegância, assemelhando-se a jovens desfilando na passarela, com graça e altivez.
Tanques semelhantes também existiam na Vila Rio Branco, próximos ao cemitério municipal e todas as lavadeiras daquele local residiam nesse antigo Paquetá, hoje com uma densa população. Após a solução definitiva do problema da água, praticamente noventa por cento de ltapetininga recebe o líquido e enquanto muitas famílias procedem a lavagem de roupas em suas próprias residências com máquinas, outras preferem enviá-las às tinturarias, atualmente dotadas de técnicas modernas, no processo de lavar e passar. No entanto, ainda repercute no antigo Largo da Caixa D’Água ou do Cruzeiro, pois lá erguia-se uma tosca cruz – a cantiga das bravas lavadeiras:
“Ensaboa mulata, ensaboa… eu vou ensaboando…! ”

Últimas

Correio Político 1003

Correio Político 1003

Pai da Criança Já começou o “vale tudo” na política de Itapetininga. Osmar Thibes, pré-candidato a prefeito pelo PSDB, começou mal a sua campanha. Declarou a um portal de notícias...

Justiça proíbe eventos com maus tratos aos animais

Justiça proíbe eventos com maus tratos aos animais

Uma Ação Civil Pública feita pela advogada Maria Leticia Benassi Filpi na 2ª Vara Cível do Foro de Itapetininga, foi julgada parcialmente procedente pelo Juiz Aparecido César Machado No ano...

Recusas ao bafômetro crescem em Itapetininga

Recusas ao bafômetro crescem em Itapetininga

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) realizou quatro operações de Direção Segura Integrada no município de Itapetininga entre 2022 e 2024. Durante essas ações, foram abordados 2.367...

Professores criticam o Programa Escola Cívico-Militar

Professores criticam o Programa Escola Cívico-Militar

Em uma sessão marcada pelo confronto de estudantes com policiais militares, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou o projeto enviado pelo governador Tarcísio de Freitas sobre o Programa...

Prefeitura entrega 164 lotes do Programa Lote Social

Prefeitura entrega 164 lotes do Programa Lote Social

A data 17 de maio consolida, definitivamente, o maior programa de habitação popular já realizado pela Prefeitura de Itapetininga com a entrega oficial dos 164 terrenos do Programa Lote Social,...

Lei antifumo completa 15 anos no estado

Lei antifumo completa 15 anos no estado

A Lei Estadual nº 13.541 de 7 de maio de 2009, também conhecida como lei antifumo, completa 15 anos neste mês de maio. Ela foi proposta e aprovada para preservar...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.