CRIME TOLERADO

A vida em sociedade não é fácil, e depende da existência de um conjunto de regras que deve ser obedecido, sob pena de retornarmos à idade da pedra e ambiente de barbárie.
Nossa sociedade, com raras e honrosas exceções, ainda deixa ao relento da omissão oficial regras comezinhas, já leis, que protegem a intimidade, a segurança e a saúde dos cidadãos.
O incômodo ao sossego público e privado, por sons altíssimos que emanam de veículos que fazem tremer calçadas ou de propriedades em eventos ou rotinas malcriadas, é infração penal pouco ou nada coibida, persistindo até que uma autoridade judicial ordene a cessação, com ou sem a devida indenização moral.
Existindo Estado de Direito, ninguém pode produzir som que penetre em residências vizinhas, invadindo privacidades. Julgando, erroneamente, que vive sob a proteção oficial, os brasileiros, principalmente os residentes em Itapetininga (SP), buscam a repressão policial, como medida urgente e necessária para a proteção do sagrado direito ao sossego e saúde.
Perplexo e frustrado, a vítima percebe que a polícia limita-se a solicitar, ao pouco educado produtor de barulhos, diurnos ou noturnos, que abaixe o som. Desrespeitada a polícia, o som continua no mesmo ou maior nível.
A vítima fica, então, sabendo que deve registrar a ocorrência e providenciar a necessária representação, para que o infrator, talvez, acabe coagido ao respeito humano e obediência às leis. Enquanto isso, nada é capaz ou tem competência para fazer cessar a agressão e o desrespeito, que perdura até o pronunciamento judicial.
Na verdade, ainda não assimilamos a ideia de que a perturbação do sossego é também crime contra a saúde, aspecto que a retira do rol das Contravenções Penais. Seria, em verdade, também objeto de autuação por autoridades sanitárias.
Nenhum cidadão está livre de perturbação, pois a qualquer momento um novo morador pode iniciar uma demorada série de desrespeitos ao direito de vizinhança. São raros os municípios onde equipes municipais, em plantões de fim de semana, socorrem o cidadão vitimado.
Loteamentos inteiros podem ser inviabilizados pela presença de um único barulhento. Bares e outros estabelecimentos podem produzir sons próprios ou abrigar sons de veículos estacionados, madrugada afora.
Em nossa coletiva e histórica ignorância, ainda vige a ridícula noção de que tudo é permitido, até às 22:00 horas. A perturbação do sossego é infração penal 24 horas por dia.
Vereadores, pouquíssimos, demonstram preocupação com o problema, e consta que, em Itapetininga (SP), um deles apresentou um projeto que trata do assunto, que jamais retornou à pauta das sessões. Nenhum Plano Diretor ou Zoneamento pode estabelecer regiões onde o incômodo é permitido.
Em seus sonhos de cidadão, o brasileiro sonha com a apreensão de equipamentos ou a condução do barulhento à delegacia, quando constatado o flagrante, pela autoridade. Meros sonhos !

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.