Decisão Prudente

Abri a porta e entrei. O silêncio era geral. Automaticamente, antes de lavar as mãos, como faziam os fariseus, embora eu não seja um deles, fui à cozinha e liguei a televisão. Era hora do almoço. Depois, ouvindo a reportagem do meio dia, com a minha repórter preferida, pois ela tem um quê de mistério, cuidei da minha higiene pessoal.
O almoço já estava pronto. A minha esposa, além de querida, é esperta e, no dizer de Salomão, o rei de Israel, é virtuosa e o seu valor excede o de rubis. Coloquei prato por prato no micro-ondas, cada um na ordem numérica. Por fim, assentei-me à mesa, porém os meus olhos não se desligavam do noticiário. Acompanhei as buscas pelos morros do Rio de Janeiro. Vibrei com as jogadas dos meus craques favoritos e fiquei apreensivo com as declarações do Ministro da Fazenda.
Acabou o programa, porém deixei o aparelho ligado, uma vez que o segundo era tão importante como o primeiro. Viajei pelos países do primeiro mundo e senti, pela primeira vez, inveja, que é pecado. (Ó Deus, perdoa-me por transgredir o décimo mandamento da tua lei.)
O dever exigia a minha presença noutro lugar. Saí, deixando atrás de mim o meu sonho. Sou um sonhador mor!
Depois de um dia de trabalho, voltei desejoso de saber como se desenrolaria a minha novela preferida. Participei de todas as cenas e senti-me na casa de todos. Chegaram meus familiares. Jantamos. Cada um queria assistir ao seu programa.
Fomos para a sala de estar resignados e fartos. Todos, afinal, reunidos, porém presos, mudos, atentos. De vez em quando, um sussurro de espanto, admiração ou dor. A novela terminou e cada um procurou o seu quarto, ligando a sua televisão, mais uma vez na ilusão. (Confissão que o Sr. Eugênio fez de sua vida diária.)
No dia seguinte, tocado pelo Espírito Santo, o Sr. Eugênio Figueiredo da Cruz e Silva, disse: Mudei de vida. Não podemos, disse ele aos seus familiares, terminar o dia que o Senhor nos deu na ilusão e sem agradecer. De hoje em diante, logo após o jornal de notícias, nós vamos ler um trecho da Bíblia e orar. A televisão não pode ser a nossa deusa. Nós temos um Deus que nos ama, dirige, guarda e abençoa.
A sua família concordou e, logo após o culto doméstico, todos foram dormir alegres, felizes e com a consciência tranquila, sabendo que haviam cumprido com o dever cristão. Ninguém mais teve a coragem de ligar a televisão depois do culto. Eugênio nasceu de novo e todos os seus familiares. Ninguém mais vive preso pela televisão e pelo celular na família do Sr. Eugênio. Eugênio, o bem-nascido!

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.