DIREITOS HUMANOS

Ainda sob o impacto dos horrores da segunda guerra mundial, nasceu a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Apesar de nortear o respeito humano, o documento segue descumprido, uma vez que as torturas ainda são praticadas em mais de oitenta países, os julgamentos são injustos em mais de cinquenta, e falta a liberdade de expressão em quase uma centena deles.

Existem, ainda, pessoas mantidas prisioneiras sem acusação formal e sem julgamento, a exemplo de Guantánamo, e a escravidão ainda não foi totalmente erradicada. Cuba ainda nega a seus cidadãos o direito de ir e vir, contestar e empreender.

A humanidade nunca foi uma brastemp, e sempre esteve sujeita ao predomínio e mando de tiranos e déspotas. No dia-a-dia, mandatários que respeitam os direitos não buscam a perpetuidade no poder, que acaba mal exercido e prolongado, quando tiranos conseguem, por revolução ou eleição, ocupá-lo.

No Brasil, a noção popular dos direitos humanos foi amesquinhada e vulgarizada como um aparato destinado a garantir o direito de bandidos. A justiça é considerada imperfeita e branda quando não imputa, ao criminoso, os horrores que este imputou à vítima.

A sensação de impunidade conduz à sensação de injustiça, e não raro ocorrem episódios de linchamento. A população enxerga como deferência descabida o respeito à condição humana dos prisioneiros.

Os brasileiros, em verdade, não possuem respeitados os mais comezinhos direitos humanos. Ainda sofrem desassistidos, nas estruturas de saúde, e sofrem inseguros a escalada da criminalidade.

O transporte público segue congestionado e pouco eficiente, enquanto o ensino gratuito reflete e sofre as desestruturas e carências da população.

Sofremos a escravidão de sermos mal representados, por aqueles que elegemos. São raros os eleitos, do município ao planalto, que não se deixam conduzir pelos encantos e facilidades do mandato.

Os avanços sociais que experimentamos são obtidos a fórceps, quando o ruído das ruas e a incerteza das urnas ameaça a tranquilidade dos palácios. Temos uma representação política irresponsável, com comichões situacionistas e, não raro, conivente com qualquer malfeito oriundo dos que possuem a caneta que nomeia e gasta.

Nosso maior desrespeito humano é a corrupção, na verdade roubo. É a corrupção que destrói instituições, empobrece o povo e torna mais graves e desassistidas nossas necessidades.

Aprendemos, desde 1.500, que a corrupção é um evento natural, próprio da natureza humana e incontornável. Nada mais falso, e nenhum outro aprendizado é tão destrutivo.

A corrupção deveria ser penalizada com base no número de vítimas, sempre próximo a duzentos milhões de brasileiros. Aí sim, deveríamos exercitar nossa primitiva noção de justiça, açoitando os corruptos em praça pública, e mantendo-os acorrentados à maior árvore da praça.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga