Drogas

A humanidade enfrenta problemas grandiosos, como a questão ambiental, os contextos políticos e, principalmente, as drogas.

O álcool, o fumo e a maconha atrapalham a discussão a respeito do tema. A figura do alcoólatra social, bêbado rico, que ingere porções moderadas do produto, em ocasiões especiais, torna-o um hábito quase inofensivo.

Os vinhos possuem até prescrição médica, pelos comprovados benefícios à saúde, quando de ingestão moderada e sapiente. Contudo, o álcool destrói famílias e mata, nos acidentes de trânsito e relacionamentos humanos.

Dizem os especialistas que é o álcool, e não a maconha, a verdadeira porta de entrada ao mundo das drogas. Segue impune a propaganda de bebidas, sempre aliada a momentos felizes. A famosa lei seca conseguiu incrementar seu consumo, a pretexto de proibí-lo.

O fumo parece, das drogas, a mais inofensiva, pois explode o usuário, enquanto as demais explodem a família e todo o quarteirão. Drogas constituem um problema social e econômico, gerando ônus gigantescos à previdência pública e paz social.

A maconha é objeto de intensas discussões, e, enquanto alguns atestam seu dano à mente humana, outros garantem que pode ser consumida com poucos prejuízos à saúde. A planta possui, comprovadamente, constituintes que podem figurar como ingredientes de medicamentos. A discriminação e o preconceito dos governos têm impedido a maior abrangência de tais medicamentos, como se a maconha só servisse para ser fumada.

O combate às drogas, principalmente cocaína e crack, tem sido infrutífero em todo o mundo. A produção, distribuição e consumo envolve cifras bilionárias, com poder para corromper agentes públicos, eleger representantes e induzir o vício, até nos selvagens pancadões e festas em praças e avenidas, florescentes na permissividade de nossos hábitos e quase inexistente repressão.

Experiências de legalização e contrôle oficial das drogas surgem, aqui e ali, mundo afora, e os resultados não devem ser aceitos de maneira incondicional, por outros povos, pois dependem das características próprias de cada sociedade. Por aqui, são aguardados os resultados de tais medidas, no Uruguai. A medida, em verdade uma capitulação, vale como reconhecimento da ineficácia dos governos e sociedades, no combate às drogas.

No Brasil, as drogas persistem pouco incomodadas, ensejando crimes, lotando prisões, infelicitando milhões de pessoas e consumindo recursos públicos agigantados. As mundialmente famosas cracolândias constituem o retrato mais fiel e bárbaro do submundo humano.

A verdade é que não é fácil impedir o relacionamento entre os que ofertam e os que consomem. A legislação que dicriminalizou, não legalizou, o consumo, foi um avanço, embora crie a figura do microtraficante, que porta porções assemelhadas ao consumo próprio.

A educação, infelizmente, colabora mas não resolve o problema, e, enquanto educamos cinco, dois outros são desencaminhados. Se, amanhã, alguém descobrir que bosta de galinha gera sensações, as granjas contarão com aparatos de segurança e contrôle, mas a bosta será encontrada em cada esquina do país.

O espaço é pequeno para o tema, mas uma coisa é certa: não podemos continuar na atual situação.

Últimas

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rogério Sardela retorna aos palcos

Depois de quatorze anos, um experiente ator da cena teatral itapetiningana retornou aos tablados, Rogério Sardela, com a peça “Agora Eu Tô Solteiro” de sua autoria. A comédia é dirigida...

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga

Um longo trabalho de investigação sociológica feito por Oracy Nogueira que reúne 12 enunciados comparativos sobre o preconceito nas relações raciais em Itapetininga, originou um estudo com o título “Preconceito...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rita de Cássia Moraes Leonel

Família Mello Moraes Família Moraes Leonel   Primeiramente, a Rita nunca iria deixar a gente escrever ou falar algo sobre ela. Certamente se incomodaria com isso… Mas não dá pra...

Semana registra 44 novos casos de Covid-19

HLOB tem queda nas cirurgias eletivas em 2024

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes (HLOB) registrou uma queda no número de cirurgias eletivas realizadas em 2024, comparado ao ano anterior. Segundo a assessoria de imprensa do HLOB, no...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.