ESCRAVIDÃO CULTURAL

O tombamento de bens imóveis é uma medida imposta pelo poder público, mesmo contra a vontade do proprietário.
A população costuma aplaudir qualquer tombamento, na certeza de que não haverá destruição ou descaracterização. Em regra, a poucos importa os prejuízos e incômodos causados ao proprietário, em nome do benefício coletivo.
Em verdade, o tombamento pouco respeita o direito de propriedade, obrigando a permissão da entrada de inspetores públicos, a qualquer dia, para verificação das condições de conservação do imóvel. Sequer um prego pode ser trocado ou colocado, sem a prévia autorização do órgão responsável.
Com tantas limitações, que constrangem também qualquer adquirente, o preço de mercado do imóvel acaba rebaixado, ou seja, uma providência pública causou, no mínimo, uma diminuição patrimonial ao proprietário. Muitas vezes, o imóvel tombado é o único bem do cidadão, que não pode ser obrigado a gastar o recurso de que não dispõe, para a conservação das características originais do bem.
São poucas e quase meramente figurativas as compensações direcionadas ao infeliz proprietário. Alguns municípios brandem, como favor, a isenção do IPTU, e deduções no Imposto de renda estão vinculadas a parcela da receita tributável, penalizando os que não auferem grandes rendas.
Soa injusto o constrangimento de um, em benefício de todos, pois sequer a privacidade do imóvel é preservada. Justo seria o patrimônio coletivo arcar com os ônus do tombamento, via desapropriação, quando optada pelo proprietário.
O tombamento constrange também a vizinhança, pois acabam proibidas quaisquer obras que limitem a visibilidade do bem tombado, ou modifique as características originais do entorno.
Um imóvel tombado, sem o livre acesso do público, perde sua função educativa e cultural, eis que as visitas acabam confinadas aos inspetores e proprietário. Ao livre acesso, é indispensável a desapropriação.
Enquanto o tombamento não é oficializado, basta uma notificação ao proprietário, para antecipar seus efeitos. Os trâmites, que vão da intenção declarada ao efetivo tombamento, não estão sujeitos a prazos, podendo alongar a expectativa do proprietário, até a decisão final.
Não são bandidos os proprietários que demolem ou interferem nas características dos imóveis, buscando fugir de um eventual e provável tombamento. Trata-se de medida legal, espécie de auto-defesa a todos deferida.
É comum a omissão das autoridades, pouco buscando os bens passíveis de tombamento, e é comum a conivência da população, que só lembra o valor histórico e cultural do bem quando, em uníssono, condena a demolição ou interferência praticada pelo proprietário.
A preservação de nossa história, cultura e ambiente não precisa de heróis ou vítimas, mas de leis mais respeitadoras e menos injustas.

Últimas

Pessoas de 57 anos ou mais serão vacinadas hoje

Prefeitura divulga novo cronograma de vacinação

TERÇA-FEIRA – 03 DE AGOSTO 1ª DOSE 24 ANOS OU MAIS – Pessoas sem comorbidades (Drive-thru e a pé nos dois pontos de vacinação) Atende Fácil da Prefeitura e Ginásio...

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

A skatista itapetiningana Isabelly Ávila, de apenas 16 anos, por pouco não se classificou para as Olímpiadas de Tóquio, mas mesmo de longe, segue torcendo pelos atletas estreantes da modalidade...

HLOB está com 100% de ocupação nos leitos para Covid

Hospital de Campanha e UTI do HLOB estão100% ocupadas

A UTI Respiratória do Hospital Léo Orsi Bernardes (HLOB) e o Hospital de Campanha Interno estão 100% ocupados. Preparada para receber pacientes infectados com a Covid-19, a UTI recebe pacientes...

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Itapetininga recebeu no primeiro semestre, por meio de repasse do Programa Bolsa Família cerca de R$ 5,37 milhões. A informação é do portal de transparência do Governo Federal. Este valor...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga