EXPLICAR NÃO RESOLVE

Vivemos, em todas as esferas administrativas, o fenômeno quase sociológico da teoria sem consequência.
É como se os problemas da sociedade fossem atenuados pelo simples e isolado fato de haver um diagnóstico de suas causas e consequências. O discurso impera, e as ações rareiam.
Um caso típico de tal situação pode ser exemplificado quando da excelente reportagem da TV TEM de Itapetininga (SP), documentando o descalabro de uma nascente cracolância, com dia e hora marcadas, nas imediações do shopping local, em via de intenso tráfego de veículos e pessoas.
Drogas, bebidas e prostituição são experimentadas até por crianças, em público, espetáculo que segue impune e pouco reprimido. Constituía um inferno, formal, solene, cínica e irresponsavelmente ignorado, até que a imprensa cumpriu seu papel de informar e gerar posicionamentos, mais teóricos que práticos. A situação ocorre por todo o território nacional.
Autoridades dos diversos e populosos órgãos, afeitos ao problema, foram unânimes em apontar para a culpa dos pais, omissos na educação e acompanhamento dos filhos. Declararam, em uníssono, atuações pretéritas, algumas resultantes em prisões e recolhimentos.
É estranho que os órgãos que já atuaram na área tenham constatado os crimes que ali ocorrem e permitido, por omissão, sua continuidade. Só explicações e diagnósticos não resolvem, e o problema persiste.
A culpa pode ser dos pais, cujas improvidências podem decorrer dos avós, que herdaram a pouca educação dos bisavós, e assim vamos, até que Adão e Eva sejam condenados e severamente punidos. É comum, em escolas públicas, os pais de algum aluno serem chamados, quando de problemas disciplinares, e tristemente constatado que o aluno é o mais educado da família.
Os pais podem ser invocados, mas não constituem os únicos responsáveis pelo descaminho de crianças e jovens. A sociedade, com seus valores e pregações não raro idiotas, que valorizam status e grifes, além de exaltar ídolos de barro, permite o ócio e estrutura sistemas de ensino pouco eficientes e disciplinadores. A sociedade é omissa.
Nas estradas, são comuns as placas que indicam trechos perigosos, recordistas em acidentes. Continuam os acidentes, as placas e a periculosidade dos trechos.
Há regiões, em quase todas as cidades, onde são comuns os assaltos e mortes violentas. Quando os sobreviventes de tais regiões conseguem algum destaque na imprensa, algumas atitudes são tomadas, mas logo logo a barbárie é retomada, e assim persiste.
Roubos de veículos ocorrem nos mesmos locais e horas, e só merecemos o alerta, acompanhado ou não de explicação, dos incumbidos da solução do problema.
Resta-nos pressentir os problemas e aguardar pelas explicações, da violência, do leite adulterado ou da corrupção, sempre noticiada. No campo político-administrativo, as explicações que não resolvem nem justificam também andam em moda: “governos anteriores também fizeram”.
E assim vamos. Para onde, só Deus sabe.

Últimas

Peça “Os malandros” estreia nesta segunda-feira

Espetáculos teatrais retornam com sucesso

Nesse final de semana, dois grupos teatrais da cidade estarão em cartaz. No Jardim Marabá, o auditório Municipal apresenta “Os Malandros”, produzido pela cia Tapanaraca Mutatis Mutandis. O musical será...

Professores dão dicas para segundo dia de provas

Professores dão dicas para segundo dia de provas

No próximo domingo (28), os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 farão as provas de matemática e ciências da natureza. Para se sair bem, professores entrevistados recomendam...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga