FASE COMPLICADA

Ser vestibulando não é fácil.
São poucos os que não hesitam na escolha do curso e profissão que pretendem seguir. Uma série de fatores influenciam a decisão.
A comodidade tende à escolha de uma profissão que aproveite alguma estrutura familiar já montada, como escritório, clínica, comércio ou indústria. A comodidade não costuma ser boa conselheira.
O atrativo econômico e financeiro tende a afastar profissões pouco remuneradas, quase franciscanas. São poucos, e felizes, os que colocam a vocação acima das perspectivas salariais, e seguem vida afora confundindo lazer e profissão.
A busca por uma formação de nível superior espelha a segurança oferecida por um bom diploma e conhecimento, patrimônios que continuam valiosos em qualquer crise ou contexto.
Antes do advento do ENEM, o vestibular era uma dispendiosa e estressante maratona país afora, aproveitando os exames não coincidentes. Universidades estaduais, muitas, privilegiavam seus conterrâneos com questões pertinentes a temas locais, pouco familiares a concorrentes de outras terras. É como se perguntassem o apelido do bêbado da praça ou o nome completo da primeira dama.
O ENEM democratiza e populariza a concorrência, tornando nacional o certame e aumentando as chances de todos os candidatos.
Um fantasma, contudo, continua rondando, apavorador, nossos vestibulandos. Os exames continuam exigindo conhecimentos pouco relevantes à carreira escolhida.
Optantes da área das ciências humanas, como História e Letras, são submetidos a complicadas provas de física, química e matemática, e candidatos à engenharia e física submetem-se a questões que envolvem poetas gregos e filósofos da idade média.
A educação e cultura devem abranger todos os temas, até a conclusão do segundo grau, mas os vestibulares podem e devem privilegiar assuntos da área escolhida, humanas ou exatas.
A adoção de cotas, racistas ou sociais, nos exames vestibulares, gera mais inconformismos que inclusões. As cotas pressupõem muitas inverdades, não raro injustas.
O governo federal é, hoje, grande mantenedor de faculdades privadas, subsidiando mensalidades ou adiantando recursos, quitados após a conclusão dos cursos. Tal política vem gerando grande inclusão social.
Contudo, o governo deve, e pode, exercer maior fiscalização, sindicando continuamente a efetividade do ensino que custeia. Sem uma fiscalização rigorosa, produzimos mais diplomas que profissionais habilitados.
O vestibulando precisa, como poucos, de apoio familiar. O país possui mais filhos que aprovados, e ninguém pode exigir nada além de dedicação e estudo.
Na verdade, o vestibular é iniciado na pré-escola, e segue pouco percebido, até a conclusão do segundo grau. Infelizmente, pais e escolas ainda comemoram a aprovação ano a ano, e parece pouco importar o conhecimento efetivamente acumulado.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.