Fernando Rios: Mestre que dignificou magistério

Sem exceção, todos foram dignos e proficientes em sua excelsa virtude de ensinar. Agiram dignamente na profissão que escolheram, disseminando cultura e ensino, elevando o grau educativo de todos os brasileiros.
Merecedores dos mais calorosos aplausos, foram homenageados e venerados com respeito neste 15 de Outubro, dedicado a eles. Tanto aquele que trabalha ou trabalhou nos recônditos sertões (se ainda os há), em precárias escolas, como o grande mestre das sofisticadas , famosas e sisudas universidades.
Professores, existem hoje, que se desdobram intensamente no trabalho, objetivando conseguir os melhores resultados escolares, pois, muitas vezes, sujeitando-se a percalços , não desistem de seu abençoado sacerdócio.
“O professor é a coisa mais importante na sociedade”, se curva o Imperador do Japão. Não existe sequer um adulto em todo o mundo que não traga dentro de si a lembrança de um professor., “seja bom ou seja ruim”. São palavras de uma categorizada professora, que apesar de aposentada, ainda leciona, com brilho e entusiasmo no Fundamental 2, antigo ginásio, em Itapetininga.
Nesta cidade honraram ou ainda honram a cátedra, professores de alto gabarito, como Graco da Silveira, Tonico Alves, Paulo Rage, Modesto Tavares, Hilda Weis, Eduardo Soares, Ernesta Rabelo Orsi, Eliziario Martins de Mello, Neusa Aboarrage, Cidinha Vendramini, Abigail Vieira de Moraes, Tereza Válio, Angelina Hungria, Nazaré Rosa Rezende, Angelina Martins, Hilda Cardoso, Irene Isaac, Ivan Barsanti Silveira, Dulce Palomo, Joaquim Fabiano Alves, Tales Galvão, ÍÌsola Vendramini, Margarida Blóes, Nazira Iared e tantos outros grandes educadores que infelizmente não conseguirei listar neste pequeno texto.
Como exemplo mais dignificante cita-se , com orgulho , Fernando Rios: ereto, passos firmes e cadenciados, um leve sorriso nos lábios, braços longos em movimentos oscilantes, curtos, mantinha-se invariavelmente suas mão espalmadas e viradas para trás,
Professor da “Peixoto” e do “Ginásio”, exerceu o cargo de Delegado de Ensino em Itapetininga e Sorocaba. Aposentou-se em 1940, mas seu relacionamento com o magistério não terminou. Ao regressar à Sorocaba continuou a ministrar aulas de Espanhol , Francês, e Matemática no Ginásio Municipal Getúlio Vargas, no Ginásio Ciências e Letras e na Organização Sorocabana de Ensino.
Sobre seus alunos costumava dizer constantemente: “foram tantos os meus alunos em Itapetininga e Sorocaba, que não me é possível recordar o nome de todos. A cada um, tenho certeza, dediquei o melhor de meus esforços, procurando plainar-lhe com a luz do saber , o caminho da vida. Sinto-me feliz e compensado por isso”.
Durante toda sua vida foi um grande orador, empolgando os ouvintes com suas palavras sábias e ponderadas, com seus ensinamentos profundos e suas ideias plenas de fé, reflexo , luz e esperança, sóbrias e eloquentes.
Fernando Rios, um mestre por excelência, foi honrado e fiel por princípio. Amigo e companheiro por convicção. Pertenceu à Academia Sorocabana de Letras. Além de uma rua, levam também seu nome três estabelecimentos de ensino. Em Itapetininga, onde passou a maior parte de sua vida, residiu no “sobrado amarelo”, na rua Don Joaquim, residência ocupada posteriormente por Francisco Rosa ( uma das poucas construções que ainda resistem aos novos tempos).
A respeito de sua personalidade, Sonia Oliveira Cano, sua neta, disse o seguinte: “Seus ensinamentos fecundaram o solo virgem da juventude, deitaram raízes forte, alargaram os ramos, deram frutos doces e sumarentos que hoje continuam sua missão com muita esperança lle muita fé”.

Últimas

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Nesta quarta-feira, dia 16, durante patrulhamento da Operação Itapê + Segura, equipes da Guarda Civil Municipal de Itapetininga prenderam um suspeito nas proximidades de uma escola municipal na Vila Mazzei....

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Por: Milton Cardoso Havia um enorme abismo cultural entre os imigrantes europeus e japoneses, mas a educação dos filhos era um ponto comum entre eles. Uma das prioridades era a...

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

O Centro de Artes e Esportes Unificados em Itapetininga, mais conhecido como Céu das Artes, abriu desde segunda-feira, dia 14, inscrições para diversos cursos e oficinas, todos de graça, voltados...

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

Milton Cardoso Especial para o Correio Há exatos 113 anos no porto de Santos desembarcaram do navio Kasato Maru 781 imigrantes japoneses, todos agricultores. Na bagagem traziam muitos sonhos: o...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga