Filho de Belial

Você já ouviu falar do homem de Belial? Creio que você nunca ouviu falar, portanto, eu explico: a palavra no hebraico quer dizer indignidade, ou iniquidade. Ela se tornou associada as expressões: filho de Belial ou filha de Belial. Indicava uma pessoa indigna, embora a expressão possa assumir o sentido de agente de Satanás.

Ana, esposa de Elcana, estava orando ao Senhor da Glória, no templo de Siló. Assim ela orava: “Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.”

O texto sacro afirma que ninguém ouvia uma só palavra e apenas seus lábios se moviam, porém não se lhe ouvia voz nenhuma. Eli, o sacerdote, passou, onde ela estava ajoelhada, e achou que ela estava embriagada e advertiu-lhe: “Até quando estarás tu embriagada? Aparta-te de ti esse vinho?”

Ana respondeu-lhe: “Não, Senhor meu, eu sou mulher atribulada de espírito; não bebi vinho, nem bebida forte; porém venho derramando a minha alma perante Adonai. Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial; porque pelo excesso da minha ansiedade da minha aflição é que tenho falado até agora”.

O sacerdote Eli, constrangido, procurou corrigir e disse:-“Vai-te em paz e o Deus de Israel te conceda a bênção que lhe pediste.” Diante das palavras do servo do Senhor, Ana seguiu o seu caminho, comeu e o seu semblante já não era o mesmo.

O filho de Belial vive embriagado, não se comporta corretamente no seio da sociedade. Os filhos de Belial procuram a briga, estupram as mulheres e vivem como se Deus não existisse. ( Juízes 19 22 ) Eles não respeitam as cerimônias religiosas e não se importam com o Senhor. São homens que desrespeitam os direitos civis e vivem contra as autoridades constituídas. ( I Sam. 10:11, I Sam. 2 :12)

O cristão, que não é filho de Belial, deve viver santamente. Paulo, o apóstolo de Jesus, diz, enfaticamente: “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe; e sim unicamente a que for boa para edificação.”(Ef. 4:29) diz, ainda: “Agora, pois, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar.”

Como seria bom se as autoridades constituídas vivessem com civilidade, sem usar palavras torpes, obscenas e tivessem domínio próprio e não fossem filhos de Belial.

Oremos, por eles, como ordena o apóstolo dos gentios: “Antes de tudo, pois exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor do Presidente da República e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito.”

Não seja filho de Belial, mas de Deus.

Últimas

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga