Gerações

Nessa vida, algumas coisas boas só acontecem de tempos em tempos e aí colocamos décadas e até século. Exemplo: O século V Antes de Cristo, na Grécia, o chamado “Século de Péricles” que conseguiu reunir quase ao mesmo tempo e no mesmo chão, três dos homens mais inteligentes desse planeta até hoje como os filósofos Sócrates, Platão e Aristóteles. Também o escultor Sidias (da Acrópoles grega), o dramaturgo Aristófanes e outros (gregos). Certo! Algumas épocas da humanidade são mais privilegiadas que outras. Na música popular brasileira as décadas de 1930 a 1970 do século XX foram consideradas sublimes.

Surgiu nessas décadas um celeiro de compositores, cantores, músicos, arranjadores como nunca se viu. E logicamente, graças a revolução tecnológica acontecendo nesse século. Para citar alguns: Noel Rosa, Ary Barroso, Dorival Caymmi, Silvio Caldas, Luiz Gonzaga, Elizete Cardoso, Vinicius de Moraes, Francisco Buarque de Iolanda, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethânia, Nara Leão, João Gilberto e tantos, tantos e tantos. Também Antônio Carlos Jobim o “Tom” lógico.

Situamos, especificamente outro exemplo, como no final da década de 1950 (mais especificamente 1958) na requintada zona sul do Rio de Janeiro, então capital do país, nos bairros de Ipanema e Leblon, um grupo de jovens músicos e compositores descobrem (ou inventam!) um novo ritmo, ou seja, a bossa-nova. O pioneiro foi o violão de João Gilberto auxiliado (mas, muito!) pelas letras e músicas de Vinicius e Tom. O ritmo com base na trindade “céu, sol, mar” e também “paixão, muita paixão” e que conquistaria países do mundo ocidental e oriental como os Estados Unidos e Japão, influenciando algumas vezes até a cadência do jazz e, o mais importante, sem dissociar-se da linha melódica brasileira. A suas raízes (da bossa nova) continuaram a serem nacionais. Na época, alguns turistas da mpb consideraram a bossa nova como alienada, elitista e supérflua. Mas, na verdade, a bossa nova mostrou ao mundo um novo Brasil depois de Carmem Miranda.

Quatro ou cinco anos depois de seu surgimento, aparece no cenário musical brasileiro, a denominada “música de protesto”, mas realista, politica, crítica (contra regimes ditatórias, sociedades divididas economicamente entre outros assuntos) mas igualmente magica e linda. Em apenas duas décadas (50 e 60) apareceram novos gênios musicais. O ciclo se fecha com o Tropicalismo, síntese da cultura brasileira até então.

Quando surgirão novamente estes movimentos tipicamente brasileiros? Se já existem, não são completamente divulgados e nem popularizados. Como grande parte dos novos compositores brasileiros ainda são filhos do “rock n’roll” e (congêneres!) o bom gosto musical levara tempo para voltar nesse país. Muito tempo…

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.