Gianfrancesco

Nem paulistano ele era. Nasceu em Milão, Itália e seus pais (Elsa e Edoardo) eram músicos do refinado Teatro Scala, de lá. Com quase três anos de idade é que veio para o Brasil pois sua mãe recebeu um convite para atuar na Orquestra Sinfônica Brasileira no Rio de Janeiro, então Distrito Federal. E saíram da Itália em boa hora pois o governo do ditador (fascista) Benito Mussolini (aliado de Hitler) estava “apertando o cerco”.

Foi assim que Gianfrancesco Guarnieri chegou ao Brasil na década de trinta. Aqui, o presidente Getúlio Vargas preparava o também fascistóide Estado Novo (1937-1945). E nesse ambiente pré-Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o primeiro chão brasileiro de Gianfrancesco foi mesmo a “Cidade Maravilhosa”. Lá, já em sua juventude integrou-se no Partido Comunista Brasileiro e começou uma certa liderança estudantil.

São Paulo acolheu Gianfrancesco somente em 1953 quando ele estava com um pouco mais de 18 anos de idade. Sempre ligado à juventude comunista, começou a fazer teatro com o objetivo de conscientização política. Para isso, participou do Teatro Paulista do Estudante. E foi lá que surgiu sua maior obra.

Gianfrancesco entre muitos dos seus feitos será sempre lembrado por uma dessa ou texto escrito em 1956 sob o título de “Eles não usam black-tie”. Se o dramaturgo carioca Nelson Rodrigues “inventou” o teatro brasileiro com a peça “Vestido de Noiva”, encenada pelos “Novos Comediantes” em 1943, no Rio, por certo a segunda “invenção” aconteceu em São Paulo no ano da graça de 1958 (que nunca deveria ter acabado segundo muitos escritores), no Teatro de Arena, próximo à Igreja da Consolação com a montagem de “Eles não usam Black-tie”. A encenação contava uma história sobre operários, moradores de uma favela carioca que estavam em greve por problemas salariais, principalmente.

Operários? Greves? Isto não havia acontecido nos palcos brasileiros e paulistas com um texto nacional. O espectador paulistano até então acostumado a personagens europeus de peças encenadas pelo sofisticado TBC (ou Teatro Brasileiro de Comédia), o preferido da elite paulista no bairro do Bexiga. O Teatro nacionalista, realista, político, de esquerda começa com essa obra de Gianfrancesco. Foi realmente um marco. O homem comum brasileiro com sua fala, seu jeito de andar, de vestir, de comportar-se no palco é uma criação de alguns autores visionários, entre estes principalmente como Gianfrancesco Guarnieri.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga