Honraria da câmara: homenagem a instituição escolar

“Ele, que iniciou a vida como “simples camelô”, posteriormente estabelecendo-se na rua Saldanha Marinho,
próximo a Barbosa Franco – e que em 1937 construiu vistoso e moderno prédio onde instalou a ‘grande Casa Amarela’.”

 

Quando nos anos 1920, a decantada pela época do “Vaudeville” e também do roubo do quadro de Mona Lisa- Francisco Fabiano Alves, emérito professor e poeta consagrado, denominou “Terra das Escolas”, ele talvez estivesse vaticinando a instalação futura de uma escola de nível superior de Itapetininga.
Decorridos quase meio século depois do prognóstico, surgem primeiramente a Associação de Ensino, por iniciativa do advogado, prefeito e professor Jorge Ozi, e pouco tempo depois a hoje famosa Fundação Karning Bazarian. Como assim? Pois nos anos 1960, um imigrante armênio, simpático empreendedor que mantinha pequena loja de tecidos, armarinhos e confecções na rua Campos Sales, decidiu presentear Itapetininga com algo de grande utilidade e de formação educacional para a cidade.
Ele, que iniciou a vida como “simples camelô”, posteriormente estabelecendo-se na rua Saldanha Marinho, próximo a Barbosa Franco – e que em 1937 construiu vistoso e moderno prédio onde instalou a “grande Casa Amarela”, tornou-se importante e útil cidadão destas plagas, justamente com esposa, e filhos, aqui nascidos. Em suas habituais viagens ao exterior costumava proclamar, alto e bom som, “não existe cidade maior e melhor que Itapetininga, no Estado de São Paulo, Brasil”. Sentia-se orgulhoso em fazer parte de sua população.
Foi, portanto, por essa razão que desejava dar a terra que adotou um presente digno da grandeza do povo que o acolheu e retribuindo condignamente tudo que ganhou durante sua existência. Em uma esplanada, área de grande dimensão, na Raposo Tavares, famoso arquiteto paulista, Henry Sanson, perante o próprio Karnig Bazarian, familiares, autoridades de todos níveis e pessoas gradas, exigiu e delineou a planta tecnicamente elaborada, como seria o majestoso “campus da Fundação Karnig Bazarian “Essa seria a oferta régia que Karnig oferecia” à sua querida cidade e ao seu povo.
Inicialmente, com o curso de Direito funcionou por alguns anos em dependência adaptadas no então “Seminário da Vila Aparecida”, hoje Anglo, e logo após no soberbo e perfeito “campus universitário” próximo a Raposo Tavares e distante pouco da Vila Nova Itapetininga, tornando-se referência da região sudoeste.
Com trabalho dos mais elogiados passaram diretores como Joaquim Aguiar, Francisco Alves Vei, Francisco Tambelli, Celso Prado, Eduardo de Souza, Hiran Ayres Monteiro, Avedis Karabachian entre outros. Ao longo desses últimos anos, dirige a entidade com proficiência o Promotor Público Eliel Ramos Maurício, ampliando e tornando-se estabelecimento de alto nível cultural e uma das melhores do Estado de São Paulo. Seus cursos, com professores capacitados, abrangem Direito, Administração, Educação Física, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda, Gestão Comercial, Logística, Gestão de Segurança Privada e Secretariado.
Neste 10 de Outubro, sexta-feira, homenageando a iniciativa de Karnig Bazarian, a Câmara Municipal fará a entrega do título de “Cidadão Itapetiningano” (in memorian) a Avedis Karabachian, um dos presidentes da Fundação e saudoso genro de Karnig Bazarian. O autor do projeto, apresentado e aprovado no ano de 1972, ex-vereador José Lopes Cardoso, também advogado, em seu pronunciamento nesta sexta, dia 10, em sessão solene, na sede campestre do Clube Venâncio Ayres, exaltará o grande feito cultural de Karnig Bazarian e os benefícios que a Fundação com a implantação de escolas trouxe a toda região e ao Estado de S. Paulo, tornando Itapetininga polo de ensino universitário.

Últimas

Cidade tem 25 mortes em sete dias e UTIs estão 100% lotadas

Cidade registra 24 mortes em apenas dez dias

Os primeiros dez dias do mês de junho registram uma marca preocupante, a cidade confirmou 24 mortes em decorrência da Covid-19 e 579 novos casos. Nesta quinta-feira, dia 10, o...

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

A modelo e estudante de fisioterapia Bruna Campos denunciou uma situação de racismo que sofreu durante uma oferta de trabalho. Ela combinava, pelo whatsapp, detalhes de um trabalho freelancer que...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga