MAIS UM NATAL

Apesar dos apelos comerciais, a aproximação do Natal ainda segue semeando um clima de maior fraternidade humana.
No ambiente de trabalho, as brincadeiras de amigo secreto, com a espontaneidade um pouco inibida pela presença dos chefes, descontraem o ambiente, após mais um ano de convivência. A limitação do valor dos presentes equipara os gastos, poupando exibições de riqueza.
Nos jardins, lâmpadas chinesas e gambiarras elétricas tentam eletrocutar pessoas e torrar plantas, mas sempre acabam embelezando o ambiente. Presépios lembram que a data é um aniversário, e valorizam o aconchego de uma humilde e festejada manjedoura.
Nos supermercados, consumidores amargam preços de ocasião, e lotam carrinhos. Carnes vão, ano a ano, cedendo lugar a frutas, mas ainda seguem recordistas em vendas, ao lado das bebidas.
Filhos de pais sovinas já não estranham o fato de comer panetone em meados de janeiro, e ovos de páscoa em julho.
Nas lojas, crianças tentam emocionar os pais, que aproveitam a oportunidade para jogar a culpa do baixo salário em Papai Noel, ou lembrar que o presente é um prêmio por algum bom comportamento.
Houve um tempo em que as crianças acreditavam no bom velhinho, mas sempre existiram os malvados, ensinando que é uma criação humana.
Religiosos aproveitam a data para cultos e encontros, e voluntários tentam minorar os sofrimentos alheios. Seresteiros, em grupo, alegram o ambiente.
Para a maioria, o Natal é um pretexto à beberagem e comilança, entremeada por um ou outro cumprimento. É um desfilar de emoções.
Muitos passam o Natal entristecidos, pois é inevitável a lembrança dos que já se foram e das alegrias que presenciamos. O Natal é o exercício da gargalhada em público e do choro solitário.
Mas não convém permitir que a natural tristeza, uma quase melancolia, perpétua saudade, macule a festa e a alegria dos que ainda não possuem passado. É hora de festejar, sorrir e presentear, lembrando sempre os heróis do dia-a-dia, garis, socorristas, catadores de reciclados, guardas-noturnos, animais domésticos e tantos outros.
O espírito do Natal, lembrando o surgimento de uma boa nova, faz falta à humanidade, já quase acostumada aos episódios diários de violência, com assassinato de crianças e degolas, à título de manifestação política, entremeada com radicalismo religioso. Faz falta ao ambiente de praças e esquinas, onde a pressa do dia a dia e a busca da sobrevivência faz vítima a solidariedade.
E assim, de festa em festa, a humanidade segue sua trilha, entremeando feitos grandiosos com retrocessos desastrosos. Não sabemos o destino final da caminhada, mas a memória do aniversariante, homem brilhante, enviado celeste ou feliz criação de pensadores da época, indica um caminho e leciona virtudes que percorreram séculos e ainda inspiram grande parte da humanidade.
É natal.

Últimas

Cidade tem 25 mortes em sete dias e UTIs estão 100% lotadas

Cidade registra 24 mortes em apenas dez dias

Os primeiros dez dias do mês de junho registram uma marca preocupante, a cidade confirmou 24 mortes em decorrência da Covid-19 e 579 novos casos. Nesta quinta-feira, dia 10, o...

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

A modelo e estudante de fisioterapia Bruna Campos denunciou uma situação de racismo que sofreu durante uma oferta de trabalho. Ela combinava, pelo whatsapp, detalhes de um trabalho freelancer que...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga