Muitas festas já rolaram por aqui…

“Na década de 1960, antes do recrudecimento regime militar, Itapetininga, com sorrisos abertos, via transcorrer os melhores anos de sua vida. Contemplava, feliz, as inúmeras festas e comemorações realizadas amiúde com a presença constante dos mais diferentes públicos, movimentando, inclusive, todo o comércio local. Agora, tornam-se lembranças os festejos que fizeram de Itapetininga uma cidade conhecida pelo aspecto cultural, como nossa vizinha Tatuí, capital da música. Que nossos administradores conheçam a história para realizar o futuro.”

O Brasil viu de perto o maior fervor político e cultural ocorrido em seu território durante os anos sessenta, não fugindo a isso a Itapetininiga de poucos milhares de habitantes e cujo furor veemente estudantil determinou movimentos de esquerda. O famoso e notável Grêmio Estudantino “Fernando Prestes”, entidade criada nos anos de 1940 e que congregava a grande quantidade de jovens das escolas “Peixoto Gomide”, “Escola de Comércio” e o conceituado “Ginásio”, esteve sempre a frentedemovimentos sociais e políticos.
Vale lembrar, a propósito, que quando foi implantada a ditadura militar no país, o Grêmio posicionou-se corajosamente contra aquilo que foi denominado “os anos de chumbo”. Tanto que o presidente da agremiação, à época, foi destituido do cargo e a entidade ficou sob a vigilância “dos donos do poder” daquele período, até ser lacrada e se tornado sede do Mobral.
Antes, e pouco depois da implantação do regime militar, Itapetininga, com sorrisos abertos, via transcorrer os melhores anos de sua vida. Contemplava, feliz, as inúmeras festas e comemorações realizadas amiúde com a presença constante dos mais diferentes públicos, movimentando, inclusive, todo o comércio local.
Assim sendo, realizavam-se festividades, tão aguardadas, do Clube “13 de Maio”, com bailes de gala e concursos para a eleição de sua Rainha e Princesas, comparecendo altas autoridades e pessoas gradas, além de caravanas de quase toda a região. No Clube Operário, hoje o Recreativo, as memoráveis noites juninas, os bailes, solenes e populares, a apresentação de artistas e conjuntos famosos; as palestras ( como as Jornadas Médicas, acontecimento promovido pelo Conselho Regional de Medicina), onde esteve presente o internacional Dr. Zerbini), e o Venâncio Ayres, do alto de sua imonência, recebendo a “elite” local e os nobres convidados, para seus “sesquipedais” bailes, salientando-se os grandes Festivias de Música, de âmbito nacional, com enorme repercussão na imprensa paulistana.
Os prefeitos de então, promoviam belos carnavais, atraindo milhares de visitantes, que se encantavam com os blocos, cordões e carros alegóricos, de alto luxo e imaginação, desfilando pelas ruas Virgílio de Rezende, , Campos Sales e concentrando-se finalmente no Largo dos Amores, devidamente decorado.
Como não falar das exposições agro pecuárias em seus recintos lotados por milhares de interessados (gratuitamente) no “Tenente Carrito”, “Agrícola e de Animais”, com shows artísticos ( que neste ano depois de mais de quatro décadas deixou de existir),, “Do Trigo”, da “Fruta de Clima Temperado”, a de “Batatas”, esta organizada pela Cooperativa Cotia, claro, também as festas religiosas, em todos os cantos da cidade. Exemplo a da Lagoa Seca, onde um morador, ferroviário, de origem portuguesa, realizava, todos os anos, homenagem a “São João”, oferecendo alimentos, gratuitos, próprios da estação do frio.
Ainda ecoa a “Semana do Folclore”, efetivada no mês de Agosto, inclusive, em uma de suas edições com a presença de Rossini Tavares de Lima, um dos maiores estudiosos e autor de vários livros sobre o assunto. Havia também a participação de grupos regionais, “Congada”, “Bugrada”, de Afonso Matarazzo, “Fandango”, “Grupo Gaucho, este de Paranapanema, sendo sempre apresentados trabalhos artesanais diverso.
Periodicamente, além dos concursos cinematográficos, teatros, concursos de beleza e desfiles cívicos, realizavam-se as “Olimpíadas Estudantis”. Eram comum as cavalgadas e, o município ainda mantinha o Centro de Tradições Gaúchas “Tropeiro e Boiadeiro”, na Vila Rio Branco e um espaço destinado a bailes típicos, rodeios e exibições artísticas do gênero. Os campos de futebol ( CASI , DERAC e AAI) eram ocupados por competições esportivas entre médicos, dentistas e advogados, disputando várias modalidades do esporte.
Agora, tornam-se lembranças os festejos que fizeram de Itapetininga uma cidade de projetos e eventos , tornando-se conhecida pelo aspecto cultural e educacional, como nossa vizinha Tatuí, capital da música. Que nossos administradores conheçam a história para realizar o futuro.

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga