Naquela área funcionou o “Café Caipira”

Considerado um dos pontos preferidos de personalidades, políticos, esportistas, comerciantes, industriais e também namorados e, comum certo “charme” provinciano, funcionou início de 2003, o então tradicional “Café Caipira”, uma das referências clássicas do Largo Amores, o decantado recanto de Itapetininga.
Foram quase sete décadas de inteira movimentação no bar, que inicialmente servia sorvetes e doces, ingressando pouco depois no ramo de café, porquanto, na época, não havia entre fregueses o hábito de “tornar café em bares”, mas tão somente nas residências, como afirmava o veterano Oswaldo Piedade, habitual frequentador do “Caipira”.
O primeiro dono, fundador do estabelecimento, João Martins, apelidado de “Caipira”, aceitou o desafio de comercializar a bebida, utilizando o “coador” no seu preparo. A moda pegou e a clientela foi aumentando gradativamente, tal o sabor da “rubiácea”, segundo testemunha de Washington Luiz Ramos, o Tonzinho, um dos apreciadores do café e agora bem saudoso do antigo hábito. Ele assegura que após o desaparecimento do “Rodovia”, um bar próximo, o “Caipira” tornou-se como “uma praça grega onde eles celebravam as suas assembleias e aplicavam a justiça”.
Com efeito, são lembradas pessoas que frequentavam aquele estabelecimento como os Ozi (Paulo, Moisés e Chaquib), Araldo Lírio, Humberto Pellegrini, Waldomiro de Carvalho, Miguel Ayub, José Salem, Plínio Ribeiro, Jango Mendes, juízes, promotores, médicos e outras personalidades, além de muitos populares. A conversa constituía-se em verdadeiras aulas sobre variados temas. Anteriormente, o governador Ademar de Barros e seus companheiros, como Ciro de Albuquerque, Lucas Nogueira Garcez, Paulo Soares Hungria e outros estiveram no bar, assim como o Brigadeiro Eduardo Gomes, Jânio Quadros, Juarez Távora, além de Plinio Salgado, Prestes Maia, Carvalho Pinto, Laudo Natel e inclusive, em 1981, o ex-presidente Lula.
O Iniciador – João Martins, que também produzia artesanalmente sorvetes de diversas qualidades, ao lado da esposa, foi quem denominou o bar de “Caipira” e sentia-se honrado e gratificado em poder servir da melhor maneira seus fregueses, que iam desde políticos até as mais sofisticadas senhoras da sociedade local. Com poucas mesas, sempre ocupadas, a maioria dos fregueses eram servidos no próprio balcão, além de uma grande quantidade de pessoas que preferia ingerir a bebida em frente ao bar, conversando sobre assuntos que oscilavam entre política, esporte e negócios, “havendo naturalmente, aqueles que direcionavam o diálogo para as coisas do coração.”.
O Café, posteriormente, esteve nas mãos de João Custódio (Mané), Osvaldo Florentino, Azet Dib, Silvino Serafim e, finalmente, Waldemar que o dirigiu com o nome de “Pinguim”, mas não com tanta repercussão como antes.
Demolido, o prédio onde ficava o Café Caipira, na praça dos Amores, o local, agora, em um grande galpão moderno, pré-moldado, abriga uma grande casa, especializada em vendas de carnes e embutidos.

Extraido do livro “Vivas Memórias – Volume 1”

Últimas

Correio Político 1002

Correio Político 1002

Tabata Amaral Um importante projeto para criar um protótipo de uma cadeira de rodas movida apenas pelos movimentos da cabeça, está sendo desenvolvido no Campus de Itapetininga do Instituto Federal...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Itapetininga perde Alceu Nanini

Esta semana faleceu o empresário Alceu Nanini. Católico fervoroso, teve uma vida exemplar dedicada a ajudar o próximo. Pessoa muito querida na cidade, Alceu foi vice-prefeito e vereador. Uma grande...

Rita de Cássia Moraes Leonel

O Pint of Science Itapetininga foi um sucesso

A avaliação de Cassiano Terra Rodrigues , organizador do evento , é que o Pint of Science Itapetininga 2024 foi um sucesso, com  participação intensa , diversificada e altamente gratificante....

Rita de Cássia Moraes Leonel

O impacto das chuvas do RS no agronegócio brasileiro

Por Maria Clara Ferrari - graduada em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agronomia de Paraguaçu Paulista em 1980, Latu Sensu em Gestão Agroindustrial pela Universidade Federal de Lavras. Experiência...

Rita de Cássia Moraes Leonel

Rogério Sardela retorna aos palcos

Depois de quatorze anos, um experiente ator da cena teatral itapetiningana retornou aos tablados, Rogério Sardela, com a peça “Agora Eu Tô Solteiro” de sua autoria. A comédia é dirigida...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.