No comércio da região sul do nosso estado, ela era a grande rainha

Precursora de um comércio moderno e sofisticado que levaria quase meio século para se implantar na cidade, ela foi o símbolo marcante de sua época. Essa mesma loja, atuando ininterruptamente por três décadas, com abrangência em toda a região, não teve — até hoje — no cenário local, estabelecimentos similares, porquanto o estilo, as instalações, o atendimento, os produtos e o sistema de vendas nada deviam aos grandes magazines das maiores metrópoles do Brasil.
“333 é o número da nossa casa
333 é o nosso telefone
3 somos nós para servi-los: Rainha do Sul,
o triângulo da economia “.

Assim, durante mais de 20 anos, os infindáveis ouvintes da antiga Rádio Difusora de Itapetininga memorizavam, ternamente, a propaganda da maior loja da cidade, conhecida em toda a região, a “Rainha do Sul”, localizada na rua Monsenhor Soares, próxima à antiga Prefeitura, no tradicional Largo dos Amores.
Em prédio ocupado, anteriormente, pelo Bar Primavera, estilo francês, de Alcides Bicudo, depois de Abrahão Isaac e, mais tarde, da família Lisboa, passou a sediar uma agência de carros Chevrolet, de Jairo Costa, a Rainha do Sul resplandeceu no mundo comercial graças ao tirocínio visão do saudoso Paulo Lara e seus filhos Paulo, Nelson e Osvaldo, sob o olhar atento da esposa Ângela Guarnieri de Lara, de tradicional tronco itapetiningano.
Sob prisma futurista e inovando tudo o que existia nas distantes décadas de 40, 50 e 60, Paulo Lara, chegando de sua terra natal, Laranjal Paulista, associou-se ao fazendeiro e amigo (da mesma terra) Francisco Alves Correa e deu início à empreitada em 1954, inaugurando as novas instalações daquela que se tornaria a referência da “Terra das Escolas”.
Trajetória – Mas, para chegar àquela altura, Paulo Lara, que já fora comerciante no ramo de confeitaria, estabelecido no final da rua Alfredo Maia, depois, na Campos Sales (onde atualmente se localiza a Loja Cem) e, nos anos de 1920, na rua Monsenhor Soares esquina com a José Bonifácio, já com comércio de tecidos finos e com o nome de Casa Moderna, incursionou em outras atividades na capital paulista.
Foi então que, retornando a Itapetininga, em 1941, sua luz brilhou intensamente, instalando a inolvidável “Rainha do Sul” e, em 1943 adquiriu a parte de seu sócio, passando a gerir a firma com seu filho Oswaldo e com José Toledo Lara (seu Juquinha), pai de Roberto Lima de Lara.
Adquirido o edifício no Largo dos Amores, e completamente inovado em toda a estrutura, com departamentos diferenciados, tornou-se o primeiro magazine da região – uma espécie de mini shopping – oferecendo roupas feitas (masculina e feminina), móveis em geral, eletrodomésticos, cristais nacionais e estrangeiros, prataria, pianos, enxovais, além de uma butique com artigos finos de grandes confecções, lingerie, bijuterias, porcelanas e outros produtos das melhores procedências. Foi durante essa época que a firma lançou o “Carnet Rainha”, oferecendo prêmios como automóveis, geladeiras, fogão, aparelho de jantar e liquidificadores aos consumidores, “novidade que revolucionou o comércio da cidade”, segundo testemunho de Moacir Viana. Também com espírito dos mais avançados e colaborando com a cultura da cidade, a “Rainha” criou, juntamente com a Rádio Difusora, o Repórter Igê – Indústrias Gasparian, fabricantes de roupas – que noticiava fatos locais e gerais, às 10 da manhã e às 5 de tarde, voz dos apresentadores Jair de Oliveira e Francisco Alves Vei.
A Rainha do Sul encerrou suas atividades em 1976, ao mesmo tempo em que a FEPASA, sucessora da Estrada de Ferro Sorocabana, fazia circular seu último trem de passageiros da estação local com destino às páginas da nossa História.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.