O carnaval em transformação

Para os saudosistas das décadas de 1940, 1950, 1960 e 1970, o carnaval brasileiro não é mais aquele das saborosas e críticas marchinhas, dos sambas de empolgação, dos confetes e serpentinas, lanças-perfume, dos salões dos clubes. Enfim, mudou. Principalmente no Estado de São Paulo. Nas décadas acima mencionadas, as cidades paulistas tinham uma enorme influência do Rio de Janeiro. Era a terra carioca quem ditava as normas no sentido de como o paulista (e o paulistano) deveria dançar, brincar, divertir-se no folguedo carnavalesco. As músicas vinham das emissoras de rádio de lá. Nestas décadas, a radiofonia da “mui leal e valorosa cidade do Rio de Janeiro” tinha uma força enorme (no caso, a Rádio Nacional com uma enorme penetração no sudeste brasileiro, no interior de São Paulo (Itapetininga inclusive). Nesta época, a televisão ainda engatinhava. Revistas semanais como “O Cruzeiro”, “Manchete”, “Revista do Rádio”, entre outras mostravam quais as fantasias da moda que deveriam ser vestidas. Em cada ano destas décadas surgiam dez a quinze músicas carnavalescas (cariocas evidentemente) de sucesso que deveriam ser cantadas pelos foliões paulistas, mineiros, paranaenses, catarinenses e gaúchos (no Nordeste e Norte do país, as influências eram outras). Mas, era um carnaval brasileiro, diga-se de passagem, sem infiltrações estrangeiras. Aqui em Itapetininga, quase todos que iam aos bailes de Momo sabiam sambar. Hoje, século vinte e um, o carnaval morreu? Não, de jeito nenhum. Mas é outro. Com a volta dos blocos de rua, os folguedos animaram-se. Quem iria imaginar que a cidade de São Paulo, antes denominada “o túmulo do samba” iria comportar em suas avenidas milhões de pessoas que saem fantasiados para o canto e a dança. Que ótimo! Só que para os saudosistas, quando surgem grupos de “rock”, “funk”, “reggae”, “sertanejos universitários” e outras, estrangeiras tudo isso é um pecado mortal. Não tem nada a ver com este nosso país. Para eles, saudosistas, nada a ver.

Últimas

Usuários aprovam transporte coletivo gratuito

Após 100 dias população aprova ônibus gratuito

Com avaliação positiva da maioria da população, o transporte público gratuito em Itapetininga fez cem dias no início do mês de abril. A medida foi implementada pelo prefeito Jeferson Brun...

Cidade confirma primeiro caso de varíola dos macacos

Itapetininga registra novo caso de Chikungunya

Itapetininga registrou um novo caso de Chikungunya nesta quinta-feira, o paciente é uma mulher de 25 anos, que já está recuperada. O caso é autóctone, ou seja, que se origina...

Correio Político 998

Correio Político 998

Sueli Marquetto Presente no leilão durante a abertura da 51ª EXPOAGRO 2024, a deputada federal (PMDB) Simone Marquetto, circulou entre os convidados nas diversas mesas, conversando bastante com estes, sempre...

Pronto Socorro 2 do Hlob começa a funcionar

Pronto Socorro 2 do Hlob começa a funcionar

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes, sob gestão da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo (Enkyo), abriu ontem (17/04), de forma emergencial, o Pronto Socorro 2, devido à alta demanda de...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.