O Forreio

Bem pra lá de onde Judas perdeu as botas, mais precisamente, na periferia da Constelação de Andrômeda, presenciei a existência bimilenar de um jornal fabuloso! Um oh! de espanto quase desintegrou minha pobre alma… Conto já…
Após cavalgar a minha mula-voadora 2,54 milhões de anos-luz, pousei num planeta desenvolvido barbaridade, fui gentilmente recebido e ovacionado pelos habitantes do lugar e só gente bonita, mas bonita mesmo, não esses monstrengos que a gente vê em filmecos de ficção. Lá, o mais feinho, no mínimo, é galã! Depois de degustar um prodigioso menu, embaixadores cosmopolitas, me levaram pra conhecer o mais deslumbrante jornal daquela freguesia planetária, o “Forreio”! O dito cujo é tão grande, mas tão grande que a sua sala de Redação ocupa um satélite inteiro e a diagramação, outro… Tem uma edição diária de 777 trilhões de exemplares… Um baita jornal, mesmo!
Já de cara, quase tive um chilique quando entrei na recepção… Que recepcionista mais linda, minha gente! A Miss Universo cá da Terra perto dela é calhau! E a telefonista, então? Uau! Após ser apresentado às celestiais beldades, como o cronista mais esquizoide da Via Láctea, fui levado à sala de Redação. Nossa! Minha gente! Se eu não visse, jamais acreditaria… Setenta mil redatores se descabelam diante de seus notebook-intergalácticos em 3ª Dimensão! Dez mil Chefes de Redação flutuavam pela imensa sala distribuindo puxões de orelha e dando ordens: “Vamu lá pessoal, nada de moleza!”
Fui apresentado aos fotógrafos – um batalhão, cujo chefe é um tal de “Maaique fahadas”… O destemido tem uma máquina fotográfica tão potente, mas tão potente, mas tão potente, que fotografa até pensamento do Divino-Santo-Pai!
Porém, o que mais me espantou foi o diagramador… Caramba! Que baita diagramador! O valente é tão gordo, mas tão gordo, que é obrigado a sentar-se em quatro cadeiras, senão… É um espécime raro, aliás, raríssimo! Corre um boato na galáxia, que ele é fruto de uma experiência biológica… Vai saber! E o sujeito, apesar de simpático, é estranho mesmo! Tem oito braços e manipula ao mesmo tempo, setecentos mil computadores! Talvez, por coincidência seu nome seja “Vavárium”! Possui uma visão telescópica ainda não explicada pela ciência… Adivinha pensamentos, prevê o futuro, fala dez mil línguas alienígenas e sequer anda pelo jornal, apesar de gorducho, levita! Na hora do almoço, presenciei um fenômeno: eu vi, juro que vi, novecentos entregadores avoantes de marmita entregar a bóia do simpático diagramador… E o “marmital” inteiro desapareceu numa garfada só!
Ao final da visita, fiquei sabendo que o “Mochileiro das Galáxias” passou por lá e fez pose ao lado dos trezentos mil funcionários! Se é verdade, não sei… Mas, depois do que vi nesse jornal, eu não duvido de mais nada! Semana que vem, eu conto mais!

Últimas

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Nesta quarta-feira, dia 16, durante patrulhamento da Operação Itapê + Segura, equipes da Guarda Civil Municipal de Itapetininga prenderam um suspeito nas proximidades de uma escola municipal na Vila Mazzei....

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Por: Milton Cardoso Havia um enorme abismo cultural entre os imigrantes europeus e japoneses, mas a educação dos filhos era um ponto comum entre eles. Uma das prioridades era a...

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

O Centro de Artes e Esportes Unificados em Itapetininga, mais conhecido como Céu das Artes, abriu desde segunda-feira, dia 14, inscrições para diversos cursos e oficinas, todos de graça, voltados...

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

Milton Cardoso Especial para o Correio Há exatos 113 anos no porto de Santos desembarcaram do navio Kasato Maru 781 imigrantes japoneses, todos agricultores. Na bagagem traziam muitos sonhos: o...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga