O homem que despia as mulheres

Já com doze ou treze anos de idade eu tinha curiosidade em ver os cartazes dos teatros e cinemas de São Paulo, para apreciar os títulos dos filmes e das peças que levavam. Isto, através do Diário de São Paulo, jornal dos Diários Associados do megaempresário Assis Chateaubriand, que meu pai assinava e era entregue (religiosamente) na rua Campos Salles, em 1952, a partir daí. No setor teatral havia um cartaz que aparecia de vez em quando que era sempre do teatro Santana, na rua 24 de Maio bem no centro da capital paulista e começava assim: “Walter Pinto apresenta”, embaixo vinha o nome da peça, sempre o musical que na época era chamado de “teatro de revista”.

Os títulos eram quase sempre escrachados como: “Eu quero sassaricar”; “É do xurupito”; “Muiê macho sim senhor”. E só depois que vinham os nomes dos artistas, quase sempre cariocas. Num “teatro de revistas” nunca poderiam faltar: os cômicos, cantores, “vedettes” (mulheres que se destacavam das demais), “girls and boys” (moças e rapazes que faziam parte do corpo de baile). E nos espetáculos de Walter Pinto todo elenco era “de primeira”. Os comediantes como Oscarito e Grande Otelo (também astros dos filmes carnavalescos), Pedro Dias (que imitava com perfeição Getúlio Vargas nessa época presidente da república brasileira, eleito democraticamente). E as “vedettes”: as saborosas Virginia Lane, Mara Rúbia, Renata Fronzi, Nélia Paula entre outras. Para escolher suas estrelas femininas Walter não se importava tanto com a beleza do rosto, nem da altura. Elas, as “vedettes” tinham que ser pelo menos vistosas, coxas grossas (que eram o padrão da época), saber cantar, nem que não tivesse muita voz e andar no palco com saltos altíssimos, descer as escadarias (isso era essencial!), vestir maiôs (peças inteiras), fazer números de plateia (quando elas “vedettes” desciam no palco para mexer com os espectadores, mas de uma maneira sofisticada, fina, sem nenhum deboche ou baixaria).

Walter Pinto começou a produzir seus espetáculos sempre no teatro Recreio, na rua Dom Pedro I, na Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro, em 1942. Até então, era um “playboy” (segundo seus biógrafos) grã-fino, que nunca gostou do trabalho pesado, até quando seu pai o empresário teatral Manoel Pinto morreu e seu irmão Álvaro, o filho mais velho que dirigia a companhia teatral (sempre de “revistas musicais”) e que era louco por teatro, Walter nem ligava. Mas Álvaro morreu precocemente e Walter Pinto teve que assumir a herança do pai e irmão. E o até então displicente moço foi tornando-se o maior produtor teatral de “revistas” brasileiro. Conquistou uma equipe de especialistas (comediógrafos, cenógrafos, figurinistas, músicos, diretores de cena, iluminadores, maquinistas (cenários grandiosos), maquiadores, contrarregras, cinotécnicos, carpinteiros e outros). Com essa equipe e elenco (incluindo a orquestra) ao todo duzentas pessoas trabalhavam para Walter, diariamente, em duas sessões noturnas e três diurnas (vesperais às quintas-feiras, sábados, domingos). As encenações de Walter eram sempre um luxo. Algumas revistas musicais ficavam cinco meses em cartaz no Rio, um recorde para época (Anos 50). As “vedettes” usavam maiôs inteiros, mas as aspirantes ao estrelato usavam duas peças, algumas com busto nu e outras completamente nuas. Mas, era uma nudez artificial pois Walter Pinto vesti-as com um “collant” cor da pele importado que era caríssimos. Este ato de desnudar suas mulheres ficava bastante dispendioso para Walter Pinto.

Últimas

Correio Politico – Edição 1010

Experiência e Renovação A Federação Brasil Esperança (PV, PT e Pc do B) está com uma chapa forte de pré-candidatos a vereador. Unindo experiência e renovação, a chapa de pré-candidatos...

Câmara aprova projeto de substituição de sacos plásticos convencionais por ecológicos

Prefeitura e Câmara suspendem publicações em sites

Devido à lei eleitoral, a Prefeitura e a Câmara de Itapetininga suspenderam, temporariamente, a exibição de notícias no site e no semanário oficial que impliquem em publicidade institucional. A medida...

Confira as principais notícias de 2022

Jeferson Brun lança pré-candidatura

O atual prefeito de Itapetininga, Jeferson Brun, atualmente filiado ao Republicanos, lançou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Itapetininga. Caso se confirme o apoio oficial, Brun terá a companhia de...

Novos nomes surgem para  vice-prefeito

Novos nomes surgem para vice-prefeito

Na edição passada, o Jornal Correio publicou seis nomes que estão na disputa para entrar de vice-prefeito em Itapetininga. Mais duas pessoas estão ainda no jogo como ex-secretário municipal de...

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

No município de Itapetininga, o clima desfavorável marcou a temporada de colheita de figos neste ano, conforme relata Daniel Nache, produtor local. “Este ano foi desafiador desde o início, com...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.