O jantar humanitário que unem vizinhos

Todos os dias, praticamente durante quase 12 meses por ano, preocupações, ansiedade, às vezes conflitos e trabalho insano, atingem grande número de pessoas de todas as espécies.

São cidadãos, muitas vezes desprovidos de recursos suficientes para resolver dificuldades, mas sempre esperançosos e animados a prosseguir na labuta diária, sabendo, portanto, que é preciso continuar sonhando.

O conforto e um pouco de tranquilidade reside na devoção ao Criador, nas amizades daqueles que residem na mesma área, principalmente em bairros e vilas das cidades. Moradores se conhecem profundamente, e quando possível reúne auxilio e relações fraternais entre si. Sem dúvida, constitui um bálsamo e uma forte alavanca para seguir com alento a vida que desenvolvem, porque, com isso, se refestelam em alegria e solidificam o elo de afeto entre eles. Assim é que em diversas vilas dessa Itapetininga, composta das mais diversas categorias sociais, seus moradores se reúnem em festas religiosas, casamentos, aniversários ou outras comemorações, confraternizando-se e estreitando os laços amistosos.

Vive-se melhor e com intensa vontade de realizar sempre algo mais, segundo o conhecido Nelson, apelidado de Sentinela, morador na Vila Rio Branco e profundo observador dos costumes e hábitos dos itapetininganos.

São reuniões confraternizadoras que ocorrem periodicamente, mas ainda pouco visíveis e que não repercutem aos quatro cantos da cidade.

É bem possível que algumas centenas de pessoas se recordem que o saudoso professor José Gomes, festivo e acolhedor, com a colaboração de muitos vizinhos iluminava com luzes e enfeites toda área do início da Vila Rosa, onde residia e também realizava festividades nas comemorações de fins de ano. Tornou-se uma das grandes atrações turísticas de Itapetininga.

Na aprazível e hoje desenvolvida Vila Alves, Georgina Soares Raid, 64 anos, reúne nos meses de abril, julho, setembro e dezembro diversos membros da comunidade da Igreja Santo Expedito, da Vila Palmeira e proporciona substancial jantar, independente de religião, cor ou condição social. São procedentes não só da Vila Alves, como do Jardim Leonel, Vila Sonia e outros locais limítrofes.

Isto ocorre há doze anos e durante o evento aproveita-se a oportunidade para homenagear os aniversariantes daqueles meses: abril, julho, setembro e dezembro. Neste próximo domingo, dia 7, o regabofe à noite, constitui-se em um suculento churrasco acompanhado de nutritiva salada, arroz e refrigerantes, além de uma entrega de presentes no “amigo secreto”.

Todo material é doado pelos próprios participantes (caso tenham condições) e fazem parte, além de aposentados, crianças, senhoras e senhoritas.

O cenário da reunião é na própria casa de Georgina, próxima ao SESI. Ela, colaboradora assídua de São Roque, afirma ser prazeroso o ato de prestar serviços ao próximo, principalmente “aqueles destituídos de bens e necessitados, pois isto que faço atende aos princípios cristãos.” Finaliza entoando em voz baixa o saboroso samba do saudoso Agepê – “É tempo de amar, é tempo de querer, é tempo de viver é tempo de prazer”.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga