O suplício e desespero no voo do Siriri

Meu caro amigo José Pires Germano espantou-se quando escrevi, há algum tempo, sobre o atropelamento e trágica morte de um pobre e indefeso Siriri. Meu ideal sempre foi escrever, com carinho, sobre as várias espécies de passarinhos. Não com o talento e fineza de um Ruben Braga, mestre da crônica e um dos maiores escritores brasileiros sobre todos os assuntos.
Talvez, porque minha casa paterna, sempre aberta a todos, sem qualquer discriminação, nunca foi habitada por canários da terra, chupins, periquitos, papagaios, rouxinóis, pintassilgos e outros assemelhados. Sempre consideramos essas simpáticas aves de grande importância para o homem e principalmente para a natureza. Lembremos então dos extremamente apaixonados por essas gárrulas avezistas, tais como o professor Clóvis Soares, o geólogo Michel Aboarrage, a ilustre família Anunciato , o saudoso agrônomo Ralph Soares Melges de Andrade , o técnico eletrônico Ademar Marinho e outros “admiradores de pássaros”. Amantes inveterados e criadores dessa esplendorosa fauna e qualidade de pássaros, conhecendo minúcias do assunto. “Todos delicados, de caráter meigo, ditosos e familiares, paixão de qualquer ser humano”.
Nesta última semana, cena quase chocante e digna de toda pena foi observada – e ninguém deixou de lamentar e deixar de ajudar – a presença de um Siriri (outro), adentrando uma das portas do Mercadão, em passinhos lentos e quase impossibilitado de caminhar. Suas duas fragilizadas perninhas encontravam-se enrodilhadas em tênue barbante, atravessados por um palito. Locomovia-se com “imensa dificuldade e seu sofrimento denotava intensa dor”, segundo depoimento de Luiz Proença, proprietário de um Box e Banca de Jornal, naquele logradouro público.
A comoção foi geral entre os freqüentadores da “Lanchonete do Klebinho, das lojas de confecções da Márcia Bicudo, Thiago e Maria Aparecida Goes, da 66, de propriedade da Dona Eza e das lojas Capricho, da Nega e Cláudio Uriel, além das outras pessoas que lá se encontravam. Passageiros aguardando ônibus no Terminal do Correio se agitaram, comentaram e se emocionaram profundamente.
Em uníssono procuravam apanhar (até com redes) o sensível Siriri para que fosse enviado rapidamente a um veterinário e devidamente assistido. D. Maria, a proprietária da lanchonete “Klebinho” esclareceu que o Siriri, há três meses encontra-se nessa angustiante situação e seu andar manquitolado entristecia a todos que o viram.
“Procuramos capturá-lo, mas, apesar de seu andar coxo, ainda não conseguimos”, declarou, aborrecido, o comerciante Thiago, que se sensibiliza com o estado do Siriri. A avezinha quando se alça aos céus, sente inteira dificuldades em empreender vôo pleno, agitando-se desesperadamente para seguir seu trajeto.
Os espectadores que atentamente observam o sofrimento do Siriri, esperam apanhá-lo para colocar fim em seu tormento. Enquanto isso não ocorre, não ouviremos mais seu suave canto e nem veremos seu vulto gentil dando graciosos pulinhos, além de não sabermos como está sendo sua atribulada vida.

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.