OCIOSIDADE ESTIMULADA

No Brasil, é enorme a quantidade de pessoas, principalmente jovens, que não trabalham nem estudam.
Somados os que não praticam atividades físicas, torna-se cada vez mais atraente a noção de que somos um país de vagabundos. Por aqui, a ociosidade, catastrófica, ainda é vista como status.
É comum, quando estamos cuidando do jardim, entregadores perguntarem se o patrão está presente. Estivéssemos no terraço, bebericando um vinho importado e lendo colunas sociais, mereceríamos maior respeito.
Sem frequentar escolas, sem trabalhar e sem exercer qualquer atividade física, resta a nossos jovens a tradicional vadiagem, não raro geradora de atividades pouco sociais, como o vandalismo, iniciação ao crime, perambulações destrutivas e outras, menos cotadas. O descompromisso, aparente regalia, é na verdade constrangedor.
A falta de colaboração é iniciada no próprio meio familiar, onde só a mãe costuma lavar copos, coletar sapatos e toalhas molhadas, disponibilizar papel higiênico e varrer a casa. Comensais masculinos, quando laboriosos, chegam a tratar dos cachorros, manter limpos os veículos, cuidar do estoque de cervejas e dirigir churrasqueiras.
Vivesse hoje, José, pai de Jesus, seria incomodado pelo fato de permitir a ajuda do filho, na carpintaria. O castigo imposto a Adão e Eva foi a necessidade de trabalhar, para sobreviver.
A vadiagem, erroneamente sentenciada como produto da preguiça, integra o rol de consequências de nossos históricos conceitos de que o trabalho é um ônus da pobreza, atividade antagônica ao lazer e satisfação pessoal. Governantes pouco estruturaram praças esportivas, atividades culturais, escolares e profissionalizantes, como se a ociosidade, enquanto pacata e submissa, não constituisse problema social.
Nosso sistema prisional dedica-se à castração da liberdade de ir e vir, e é praticamente impossível a ressocialização, após período de absoluta ociosidade, em más companhias. A pena do ócio é cruel, e não figura nas sentenças de condenação penal.
A ociosidade massacra milhões de idosos, ainda úteis e potencialmente produtivos. A sociedade ainda tem a noção de que a terceira idade é, tão sómente, a ante-sala da morte.
A atividade produtiva e a instrução integram a dignidade humana, e não é justo que a sociedade conviva com tantos ociosos, sem horizontes e estímulos, para, ao fim da linha, acusá-los de vagabundos e anti-sociais.
A julgarmos pela parcela da população que efetivamente produz, somos recordistas em eficiência. A julgarmos pela parcela do rendimento do trabalho que é surrupiado pela corrupção e outros descaminhos oficiais, somos milagrosos.
Somos, cada vez mais, um país ridículo. Trabalhadores que perdem ambas as pernas são tidos como ainda capazes de vender bilhetes de loteria. Outros, pela perda de um dedinho, do pé ou mão, acabam aposentados.

Últimas

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

OAB contesta baixa vazão de água em barragem

Um ofício da OAB de Itapetininga enviado para autoridades indica provável operação irregular das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) alimentadas pelas represas no curso do rio Turvo em Pilar do Sul....

Cidade registra 300 casos de Covid na semana

Casos de Covid desaceleram, mas UTI segue 70% ocupada

Itapetininga está há duas semanas sem registrar mortes em decorrência da Covid-19. O registro de novos casos também desacelerou, em uma semana foram confirmados 69 novos casos, uma média aproximada...

Escola Peixoto Gomide comemora 127 anos

Projeto “Falar é Bom” realiza palestras para jovens

O Projeto “Falar é Bom”, ação da Prefeitura de Itapetininga coordenada pela Secretaria Municipal de Promoção Social, retoma suas atividades presenciais, seguindo todas as medidas sanitárias, com foco no “Setembro...

Logística é aliada essencial do e-commerce

Logística é aliada essencial do e-commerce

O e-commerce é um setor que vem crescendo no Brasil e no mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19, que impossibilitou a compra de produtos de forma presencial. Para...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga