Olana (depois Cine Itapetininga) – o cinema mágico da rua Monsenhor Soares.

O ano da inauguração foi 1952 e daí a rua Monsenhor Soares, esquina com José Bonifácio (hoje: Calçadão) viu-se diante de um novo cinema, no local onde tinha funcionado muito tempo atrás o Cine Ideal. A empresa já possuía um outro na rua Venâncio Ayres, o Cine São José (hoje: Banco do Brasil).

Outro, da mesma empresa, seria inaugurado em 1955, o Aparecida do Sul (que depois transformou-se na fábrica de roupas Magister) cuja inauguração foi com a introdução na cidade, de uma tela (bem maior) e som barulhento, um processo chamado Cinemascope e um filme apresentado era sobre um tempo de Cristo denominado “O Manto Sagrado”, e que ficou quinze dias em cartaz, um tempo enorme para uma cidade como Itapetininga, na época.

Mas o Cine Olana (depois Cine Itapetininga) na rua Monsenhor Soares era a principal atração, situado no coração da cidade, em frente ao Clube Recreativo Itapetiningano (ex-Operario), próximo ao largo dos amores e clube Venâncio Ayres. Era o cinema preferido dos adolescentes. Para o jovem itapetiningano ser visto e ficar conhecido, teria que frequenta-lo. A primeira sessão, aos domingos, que começava pontualmente às sete e quinze da noite era o máximo, era o “frisson”. As senhoras da sociedade vestiam roupa especial para a ocasião, os homens caprichavam nos ternos e gravatas, as mocinhas suspiravam ao entrarem na sala cinematográfica e perguntavam: – “Será que ele (o flerte) veio? Será que está guardando um lugar para mim? E se estiver com outra?”.

Elas, as mocinhas, com seus melhores vestidos e eles, os rapazes, com suas primeiras roupas “de gala” adentravam o espaço prontos para sentir um mundo novo e muitas emoções. E quando as luzes se apagavam na plateia, surgiam na tela, principalmente, os belos rostos femininos e masculinos de Hollywood. Ah! Quanta ilusão… Estamos mencionando fatos da década de 1950 e como na época não havia transmissão de televisão nessa cidade (não haviam ainda receptores de sinais) o mundo delirante estava nos filmes, nos cinemas como o Olana.

Como os canais de televisão não “pegavam” aqui em Itapetininga, ainda também não havia a TV Globo e suas novelas, assim como a popularidade dos seus artistas. Daí a primazia dos artistas americanos. O cinema brasileiro tinha popularidade quando os filmes eram carnavalescos, graças aos artistas de rádio e os cômicos como Oscarito e Grande Otelo. Também Mazzaropi e seu sotaque interior-paulista. Só. Os chamados filmes sérios nacionais, já não. Com o tempo surge os franceses e italianos. Mas, na década de 1950, quem dominava eram os americanos. Os artistas norte-americanos eram quem ditavam as modas e ninguém ficava imune a beleza de uma Elizabeth Taylor ou a virilidade de um John Wayne (o eterno “cowboy”). Ah! O Cine Olana marcou tantas gerações itapetininganas, tantas. Eram um cinema com uma identidade, o “jeito de ser” da cidade. O filme poderia não ser bom mais quase ninguém deixava de ir lá. Era um ritual.

The End.

04

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga