Os sinos já não tocam mais

Em tempos, nem tanto remotos, em qualquer cidade, por menor que fosse ouvia-se o badalar dos sinos que indicavam as horas, as celebrações e festividades.
As primeiras badaladas do dia eram ouvidas anunciando a missa das 6h ou o amanhecer. Muita gente tinha nos sinos seus próprios relógios.
Ao meio dia e as 18 horas tilintavam novamente as campanas de bronze. Meio-dia para o almoço e as 18 horas para anunciar a Ave Maria. Aos domingos também informavam a concorrida Missa das Dez.
Nas grandes Catedrais, nas paróquias, ou nas Capelinhas isoladas nos bairros e na zona rural, nos mesmos momentos os sinos tocavam. E seus sons invadiam e cobriam os céus de todas as cidades. Como uma orquestra divina se comunicando com os fiéis.
Em Itapetininga sobressaia o som o Sino da Matriz, hoje Catedral, abrangendo todo centro velho da cidade. Fiéis eram escalados para esse sagrado labor de badalar. Mas também, na Igreja do Rosário, na Aparecida, a Igreja da Vila Santana, nas Estrelas eles replicavam.
Durante a pandemia a Paróquia da Matriz utilizou os sinos e o sistema de auto falante para anunciar e transmitir as missas, já que os fiéis não podiam ir à igreja.
Mas, em geral, aqueles sons estão apenas na memória dos que viveram nessa época. Enfim, os sinos de todas as igrejas silenciaram.

Últimas

Cidade registra nova morte por Covid após dois meses

Semana registra 810 novos casos de Covid

A confirmação de novos casos de COVID-19 segue alta em Itapetininga. Em um semana, foram registrados 810 novos casos da doença. O número de morte por coronavírus na cidade chegou...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga