Os sinos que cantaram a dor e a alegria já não tocam mais

Os sinos chamam os anjos mensageiros celestes, segundo crenças antigas e rodas exotéricas atuais; algumas que encantam pela esperança. Os anjos certamente continuam guardando muitas pessoas, entre as quais me incluo, e confio. Mas pode ser que algumas tenham momentos de descuido porque não ouvem mais os sinos da cidade. Ou eles foram aposentados ou derretidos como a famosa taça “Jules Rimet”, ou abafados pela já ensurdecedora poluição sonora, preço que se paga pela ambição ilimitada, acrescida pela ignorância e desrespeito humano. Os anjos que correm o mundo, às vezes não estão nem aí, ouvindo os carrilhões — conjunto de sinos que eram tocados individualmente, como orquestra.

Nas madrugadas itapetininganas não se ouve mais o repicar dos sinos da hoje catedral, som que há trinta ou quarenta anos inebriava a população; não se escutam sons pontuais que ecoavam por toda a cidade às seis da manhã, ao meio dia e às seis da tarde evocando Ave-Maria. Os sinos ecoavam a dor e alegria – dobravam pelos mortos e festejavam a passagem de ano, atualmente abafados pelos fogos iluminam a noite da virada de calendário.

Desapareceu o bimbalhar, que se ouvia contrito durante as missas realizadas não só na antiga Matriz como em outras paróquias, como de São Roque, São João, das Estrelas, da Vila Santana, da Aparecida e das igrejas de Santo Antônio, do Rosário, das vilas Arruda, Bartazar, Orestes, Santa Terezinha, São Paulo e das pequenas capelas.

Lembremos que quando o mundo entrou na Revolução Industrial, época do barulho, do som artificial, lá estava o sino na locomotiva (como na antiga Estação Ferroviária local) que anunciava a chegada do trem e dava o sinal da partida ao terceiro repique. E as sinetas que davam o aviso de entrada e saída dos alunos das escolas. Todos perfeitamente audíveis a uma distância de vários quilômetros e que deleitavam todos os seres humanos.

Permanente na história, os sinos vieram da China e são considerados instrumentos musicais. Muito caros e difíceis de tocar; para eles, conforme registros, compuseram Cherubini, Wagner, Strauss e Mahler, sem contar os “anônimos mestres do badalo e do martelo, verdadeiros profissionais movidos pela fé”. Na Grécia antiga, o repicar de sinos anunciava a chegada do peixe fresco e, em tempo de guerra, que os inimigos se aproximavam. Nas cidades medievais também alertavam para ataques de oponentes, e depois, o alarme de incêndio.

Ainda haveremos de ouvir o repicar dos sinos de todos os Templos de Itapetininga, porque não é preciso ser católico para ouvir e sentir a união e a paz que provocam, pois, o som purificador que emitem chama os anjos que, mensageiros do bem, podem ajudar no entendimento entre os homens.

Últimas

Memórias de uma geração marcada pelos cinemas

Bancos funcionam normalmente hoje

As agências bancárias funcionam normalmente nesta sexta-feira, dia 13. As unidades bancárias não tiveram atividade presencial no feriado de 12 de outubro, Dia de Nossa Senhora Aparecida. De acordo com...

Vitrine – Celebração e encontros

Vitrine – Celebração e encontros

Travessa 81 Juliane Hooper é cantora, compositora, letrista, musicista e intérprete. Escolheu o sobrenome “Hooper” como stage name quando se viu artista pela primeira vez. Paranaense, a artista tem com...

SP solicita urgência na aprovação da vacinação para crianças entre 5 e 11 anos de idade

Campanha de Multivacinação segue até dia 31

Itapetininga segue com a Campanha de Multivacinação. A intenção é promover a atualização da caderneta de vacinação de crianças e adolescentes menores de 15 anos ( 14 anos, 11 meses...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.