Outros sons

O renomado cronista musical (e também político) da Folha de São Paulo escreveu dias destes que quando Elvis Presley (um dos mitos do século 20) começou a dedilhar sua guitarra elétrica para a grande mídia no final de 1956, tido como um dos precursores do “rock and roll”, praticamente a grande canção norte-americana cantada por Bing Crosby, Doris Day, Frank Sinatra, Ella Fitzgerald e outros renomados, deixaram de ser protagonistas do “show” norte-americano por um longo tempo.
Surgia assim, nos Estados Unidos, a “música da juventude” e os “cantores da juventude”. E aquelas canções românticas, até melosas que escutávamos e víamos no cinema norte-americano cedeu lugar a um som barulhento (até excessivamente) com cantores se contorcendo nos palcos, causando desmaios entre os fãs em lugares abertos para abrigar multidões que pareciam hipnotizadas com o que viam no palco.
E junto com o novo som (que com Elvis Presley parecida até doméstico) surgiram outras libertações dos moços, como: a liberação do sexo, das drogas, do vestuário e outros modos de comportamentos não permitidos até então. Até na política essa juventude começou a influir como serem contra a Guerra do Vietnã (décadas de 1960 e 1970) e contra o governo presidencial americano da época (ou épocas). E na França de 1968 quando os estudantes enfrentaram por dias (em mais) a polícia. Eram as pedras das ruas paradíssimas contra os fuzis da soldadesca francesa.
Por um tempo o mundo ocidental mudou, inclusive com o surgimento do conjunto inglês Beatles, em 1965. No Brasil também, até então músicos e cantores de rádio, televisão, do disco (LP então) eram artistas (muitos de meia idade) que encantavam todas as idades.
Na década de 1950 (pelo menos até o surgimento do rock) uma cantora como Ângela Maria, da Rádio Nacional e Mayrink Veiga do Rio de Janeiro atraíam milhares de pessoas em seus recitais de música popular brasileira (sambas, sambas-canções, boleros, guarânias). As meninas (de dez, onze anos de idade) sabiam de cor (e salteado) os sucessos musicais das cantoras, cujos temas não tinham nada a ver com elas (fossa, amor traído e outros). Não haviam cantores da juventude. Um intérprete era único, para todas as idades e para todo o Brasil.
No final de 1956 com o surgimento do “rock and roll” tudo mudou. E é por isso que o pessoal da chamada “melhor idade” (setenta, oitenta para cima) estranha quando a cantora americana Taylor Swift (quem é? Perguntam eles) leva multidões de fanáticos espectadores para suas apresentações no Rio de São Paulo. E cantam com ela, em inglês, como se fosse uma marchinha carnavalesca de outros tempos, daquelas que todo mundo sabia.

 

Se fato é foto…

O itapetingano Clineu de Mello Almada Filho (médico geriatra) numa entrevista ao vivo na rádio Super Difusora de Itapetininga FM.

Últimas

Correio Politico – Edição 1010

Experiência e Renovação A Federação Brasil Esperança (PV, PT e Pc do B) está com uma chapa forte de pré-candidatos a vereador. Unindo experiência e renovação, a chapa de pré-candidatos...

Câmara aprova projeto de substituição de sacos plásticos convencionais por ecológicos

Prefeitura e Câmara suspendem publicações em sites

Devido à lei eleitoral, a Prefeitura e a Câmara de Itapetininga suspenderam, temporariamente, a exibição de notícias no site e no semanário oficial que impliquem em publicidade institucional. A medida...

Confira as principais notícias de 2022

Jeferson Brun lança pré-candidatura

O atual prefeito de Itapetininga, Jeferson Brun, atualmente filiado ao Republicanos, lançou oficialmente sua pré-candidatura a prefeito de Itapetininga. Caso se confirme o apoio oficial, Brun terá a companhia de...

Novos nomes surgem para  vice-prefeito

Novos nomes surgem para vice-prefeito

Na edição passada, o Jornal Correio publicou seis nomes que estão na disputa para entrar de vice-prefeito em Itapetininga. Mais duas pessoas estão ainda no jogo como ex-secretário municipal de...

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

Clima desfavorável afeta produção de figo na cidade

No município de Itapetininga, o clima desfavorável marcou a temporada de colheita de figos neste ano, conforme relata Daniel Nache, produtor local. “Este ano foi desafiador desde o início, com...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.