Paulo, o alegórico, volta à cena

Ele, por certo, não foi um astro de primeira grandeza, mas afirma-se convictamente que os astros não morrem. Os astros mortos continuam fulgurando por muito tempo. Conhecido em toda a cidade, naquele tempo, ele, em silencio, andava pelas ruas nas horas em que não estava em seu salão de barbeiro na Aristides Lobo.
Enigmático, estouvado e destrambelhado, considerado um estranho ser, Paulo praticava inconcebíveis diálogos fora da realidade. Várias são as histórias em que se envolveu, “as mais estranhas e esdrúxulas”.
Uma das que protagonizou se passou na parte central de Itapetininga, ocasião em que foi a um dentista com consultório na Saldanha Marinho, próximo à José Bonifácio.
Após os cumprimentos e a razão de sua presença, o dentista – profissional muito conhecido – disse: – Abra a boca. – Com todo o gosto, respondeu Paulo. –E devo fechar os olhos, ou não? continuou. – Como quiser, respondeu o dentista, para mim é indiferente. – Muito bem, se fechar apenas um o sr não se zanga? perguntou Paulo.
-Por mim…, respondeu o dentista, feche só um se assim o entender
-E qual devo fechar, perguntou Paulo. – O direito ou esquerdo? – Espere, talvez seja melhor fazer assim: fechar primeiro o direito e depois o esquerdo, que lhe parece?
– Para mim é suficiente que o sr abra a boca, resmungou o dentista que começava a perder a paciência.
-Mas eu não tenho dificuldade nenhuma em abrir a boca, observou Paulo. – Se o sr deseja que eu a abra, é desnecessário tanta complicação. Vim consulta-lo, justamente para fazer aquilo que o sr entendesse, por conseguinte, deve pedir-me seja o que for sem receio. Tanto é assim que lhe perguntei se queria que fechasse os olhos. E se quiser, fecho-os. Repare!
Paulo fechou os olhos, depois abriu e olhou sorrateiro para o dentista.
-Viu? Faço tudo o que o sr desejar. Julga que eu ponho dificuldade em levantar uma perna se o sr desejar? Nem por sombra?
– Levante-as imediatamente. Ordenou o dentista.
Paulo levantou uma perna.
-Irra! berrou o dentista, perdendo enfim a paciência e atirando os instrumentos no chão. Por quem me toma o senhor, por um cretino? Vá-se embora.
Paulo levantou-se. – Não compreendo, balbuciou aborrecido, venho aqui para que me cure um dente e faço tudo o que sr deseja; abro a boca. Fecho os olhos, levanto a perna e no fim põe-se a berrar dessa maneira! Estou até disposto a lavar a cara, tirar o paletó, a cortar o cabelo e coçar o joelho! Que mais quer? Irra, digo eu, que raio de dentista! Nada, nada, vou procurar outro profissional. E o intrigante Paulo pegou o chapéu e saiu resmungando
Só não sabemos se foi então a outros dentistas da cidade, como os competentes Francisco Fabiano Alves, Dr Fortes, Oswaldo Weis, Zilda Calux, Mauro Levi, Eli Trench, Bento de Lara, Nachara, Floriano Villaça e outros daquela saudosa quadra da vida.

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.