Peça teatral sem encenação

Denominada pelo seu autor como uma “sinfonia de emoções” peça teatral escrita pelo itapetiningano Leandro de Oliveira Melo resgata a memória da cidade, contando toda sua trajetória nos cenários brasileiro e paulista principalmente a participação na revolução constitucionalista, não tem condições de ser levada aos palcos locais por falta absoluta de recursos.

Leandro de Melo pesquisando toda vida itapetiningano durante seis anos, Leandro, que desde criança atuou no palco inclusive com passagens por Curitiba, ele escreveu “Dacapa” com duas horas de duração, abertura com dois movimentos, dois atos, 153 cenas, 28 atores, 6 números musicais e 12 cenários além da ambientação cênica interativa com a plateia.

A abordagem recai sobre histórias de Itapetininga enfocando o quartel, onde hoje se situa o DER instalado a título de reprimir reações contra o governo golpista de Getúlio Vargas, a vila do Paquetá, local onde se encontravam os leprosos da cidade, a da turnê do “Trenzinho caipira”, continuar a legendaria orquestra pan-americana sobre a regência de Benedito Pompeo de Jesus e depois de Edil Lisboa os famosos piqueniques em saraus na área do local denominado “carrisco”, hoje local de exposição, o glamour dos bailes dos clubes Venâncio Ayres e Recreativo, e a sociedade repressora e elitista, sempre voltado ao sistema patrialista.

O autor, que também excursionou pelo jornalismo diz que na peça são também representados os monstros sagrados da política local, “Que elevaram o nome da cidade”, a época de ouro do footing do Largo dos Amores, a implacável perseguição contra Itapetininga e a escola de farmácia e odontologia, que com a escola  Peixoto Gomide, transformaram na época Itapetininga na Terra das Escolas.

No entanto tudo isso poderá ficar no sonho, por quanto ele não conseguiu patrocínio para o espetáculo, e na época a prefeitura não se interessou pelo projeto. Ele, Leandro, acha que com R$ 15mil cobriria todas as despesas: roupa, iluminação, cenário e outras necessidades imprescindíveis. Ele acha que a peça poderia auxiliar todos os estudantes e a população em geral a aprender um pouco mais sobre a cidade.

Leandro acredita que ainda poderá surgir uma “Mescena” para esse seu projeto, levando em conta que haverá retorno através de bilheteria.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

Filmes para quem gosta de comer… e cozinhar

BAO (2018). O curta-metragem dirigido por Domee Shi fala de amor, e usa comida para representar uma mãe cuidando e acompanhando o crescimento do filho. Tem um viés bastante simbólico,...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga