Pelo ‘Rosário’ queriam ser famosos e imortais

Tudo movia o grupo para o caminho que conduziria à fama e à glória. Queria ser estampado nas páginas da famosa “Gazeta Esportiva” para todo o Brasil.
Rosário era o conhecido largo (existente até hoje) onde se ergue a centenária Igreja N.S. do Rosário, formado pelas ruas Venâncio Ayres, Monsenhor Soares, General Glicério e Quintino Bocaiuva.
O grupo então composto pelos pré-adolescentes, residentes na área, Mopir e Ary Válio, Ítalo Andrione, Paulo Mendes, Valdir Paca, Nego Dito, Feitiço, Nelo Leitão, Alberto, Arthur Tambelli, Martinho de Moraes, Oswaldo Baiano, Rosa, Waldemar Bicudo e outros, formava o então “esquadrão Rosário”, empenhado em se destacar sobremaneira no futebol itapetiningano.
O nome, inspirado também pela existência do clube denominado “Rosário Central”, celebrado na Argentina, a sempre rival no esporte Bretão do Brasil. A grande simpatia pelo nome, daquela voluntariosa juventude que frequentava o largo, vislumbrava um “grande futuro dentro do cenário futebolístico para a agremiação” E, por unanimidade foi escolhida a mesma camisa usada pela equipe portenha.
Como a dificuldade em se locomover a São Paulo, onde seria comprado, na 25 de março, o respectivo uniforme, era muito grande, ele foi adquirido na Loja de Salomão Abi, na Rua Aristides Lobo. “Seu Salomão”, em sua paciência, como hábil comerciante, forneceu 13 camisetas e calções, nas cores laranja e preto, o manto oficial do Rosário da Argentina.
Com o santificado nome de “Rosário” estampado nas camisetas, ao lado direito, a equipe que treinava seriamente e sob o comando de Arthur Tambelli – filho de Maurício Tambelli e com armazém de secos e molhados na Rua Lopes de Oliveira – no campinho frente ao hoje supermercado Pão de Mel, foi brilhante em sua trajetória, permanecendo durante seis longos anos em atividade e enfrentando outra agremiações existentes na cidade.
Como grande atração, contava em suas fileiras um excepcional centroavante, de Joinville – Santa Catarina –, que estudava no Ginásio de Itapetininga, que posteriormente atuou pela Associação Atlética local, com grande sucesso. Uma das mais consagradoras vitórias da equipe foi contra o XI de Agosto de Tatuí, além de outra inesquecível, a derrota imposta ao quadro de futebol da Rua Silva Jardim, que tinha como mentor do time o célebre Mauro de Oliveira – o Maurinho Caveira – renomado como “imbatível na época”.
Já o Rosário Central da Argentina, clube fora do eixo de Buenos Aires e que se encontra na divisão especial – permanece até hoje sem conseguir o título de Campeão do vizinho país, isto desde a sua formação, em 1899. Além de outros craques, passaram pelo Rosário portenho, nomes como Vaca (goleiro), Lostau, Salomão, Sastre, Kainigia, o grande D’Stefano , além do brasileiro Heleno de Freitas, por curta temporada, quando então transferiu-se para o “Milionário de Bogotá”, na Colômbia.
O “Rosário” de Itapetininga nunca conseguiu chegar à altura de seu homônimo e, seus “atletas”, nunca se tornaram ilustres e imortais, mas ficou a saudade daquele tempo agradável, onde todos foram felizes e sabiam muito bem disso.

Últimas

Começou esta semana a vacinação contra a gripe em idosos e profissionais da saúde

Sábado é dia de vacinação contra a Covid e Gripe

Com a grande adesão da população às repescagens da vacinação contra Covid-19 realizadas aos sábados no shopping de Itapetininga, a Secretaria de Saúde do município decidiu incluir no esquema de...

Vitrine – Realismo

Vitrine – Realismo

A coluna Vitrine desta semana apresenta algumas produções dos alunos do Art Studio & Atelier Henrik Ribeiro.Henrik Ribeiro trabalha há dois anos e meio como tatuador. Ele sempre pensou em...

Confira a programação no aniversário de Alambari

Confira a programação no aniversário de Alambari

A prefeitura de Alambari preparou diversas atividades em comemoração ao 30° aniversário de emancipação político-administrativa. A agenda começou no último sábado, dia 14, com concurso da rainha do rodeio e...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga