Primeiro dia de aula

Ele chegou chorando. A mãe ficou desesperada. Todos queriam saber o motivo do choro. Ele falava chorando e ninguém entendia o seu linguajar infantil. A mãe pensou em ir à escola e tomar satisfação. Quem provocara o choro? Quem batera no menino tão pequeno? Será que a professora puxara os cabelinhos de trás da orelha para não deixar sinal de violência? Será que a diretora não o tratara bem? Quem machucara o menino? Luizinho chorava cada vez mais, quando era interrogado.
O menino soluçava. A impressão que se tinha, vendo-o soluçar, que ele ia denunciar, mas voltava a chorar e como chorava! A sua mãe resolveu perguntar novamente: – O que aconteceu na escola, meu filho? Conte para sua mãe, pois amanhã, bem cedinho, eu vou à escola. O menino mais chorava com as palavras maternas. Por fim, ele foi se acalmando e parou de chorar.
Depois, bem depois, quando ele não chorava mais, a sua mãe resolveu, alisando os cabelos lisos da cabeça do Luizinho, perguntar o que havia acontecido na escola. Luizinho respondeu, soluçando, mas com um soluço alternado e quase voltou a chorar novamente: – Mamãe, a professora disse que eu posso ser Presidente do Brasil. Abriu novamente as fontes das lágrimas e começou a chorar.
A sua mãe, que é professora, compreendeu e respondeu: A professora estava incentivando você a estudar, pois com o estudo os alunos podem ser até Presidente da República. Ele, o Luizinho, disse chorando, mas eu não quero ser, pois todo mundo fala mal do Presidente e ele é culpado de tudo que acontece no Brasil e no mundo. Eu não quero ser culpado de nada e nem ser preso. Ele não falou assim como escrevo, mas falou bravo e muito bravo.
Eu, caro leitor, ouvi e vi tudo isso, pois o Luizinho é o meu primo de quarto grau e a Virgínia, minha prima do terceiro. Deus disse para Salomão, o terceiro rei de Israel, quando terminou a construção do templo de Jerusalém: “Ouvi a tua oração e escolhi para mim este lugar para casa do sacrifício. Se eu cerrar os céus de modo que não haja chuva, ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra, ou se enviar a peste (doença) entre o meu povo. Se o meu povo que se chama pelo meu nome se humilhar, e orar e me buscar e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei o seu pecado e sararei a sua terra”. (II Crônicas 7:13) (eu sou teísta e creio que tudo acontece segundo a vontade Divina. Deus controla tudo.)
Deus é soberano, visto que é Ele quem cerra os céus, ordena aos gafanhotos e envia a doença. Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores.

Últimas

Usuários aprovam transporte coletivo gratuito

Após 100 dias população aprova ônibus gratuito

Com avaliação positiva da maioria da população, o transporte público gratuito em Itapetininga fez cem dias no início do mês de abril. A medida foi implementada pelo prefeito Jeferson Brun...

Cidade confirma primeiro caso de varíola dos macacos

Itapetininga registra novo caso de Chikungunya

Itapetininga registrou um novo caso de Chikungunya nesta quinta-feira, o paciente é uma mulher de 25 anos, que já está recuperada. O caso é autóctone, ou seja, que se origina...

Correio Político 998

Correio Político 998

Sueli Marquetto Presente no leilão durante a abertura da 51ª EXPOAGRO 2024, a deputada federal (PMDB) Simone Marquetto, circulou entre os convidados nas diversas mesas, conversando bastante com estes, sempre...

Pronto Socorro 2 do Hlob começa a funcionar

Pronto Socorro 2 do Hlob começa a funcionar

O Hospital Doutor Léo Orsi Bernardes, sob gestão da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo (Enkyo), abriu ontem (17/04), de forma emergencial, o Pronto Socorro 2, devido à alta demanda de...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.