Qual será a seleção que irá ganhar a Copa do Mundo de 2022?

No momento em que esta coluna está sendo escrita (noitinha de domingo, quatro) aumenta o interesse pelas decisões finais desta Copa. A disputa começou no Catar com muitas surpresas e algumas “zebras” que alguns comentaristas brasileiros chegaram a comentar que resultados entre uma seleção considerada forte, e outra nem tanto, não teria favoritos, dado a incerteza dos resultados. Quem preconizaria por exemplo que a forte Alemanha (será?) não chegaria as oitavas de final, e o Marrocos ocuparia o primeiro lugar do seu grupo para disputar as mesmas oitavas de final. Mas com os resultados dos primeiros “mata-mata” (quem perder, sai) foi prevalecendo uma certa lógica futebolística. Até agora avançaram para as quartas de final: Holanda, Argentina, França e Inglaterra (o Brasil joga amanhã, cinco, contra a Coréia do Sul, e é favorito).
Destas quatro rodadas, duas se destacaram: Argentina versus Austrália, e França versus Polonia, com Argentina e França como vencedoras. No sábado, a equipe “hermana” venceu com méritos seu adversário e mostrou porque Messi (sempre ele!) já foi considerado muitas vezes o melhor jogador do mundo, dos que atuaram na esfera europeia. Além de marcar um gol (e um gol na Copa é sempre uma preciosidade), Messi deu vários toques de gênio na partida. Driblou vários, fez belos passos para seus companheiros, “montou” o esquema de jogar da seleção argentina. Enfim, fez e aconteceu! Ele ainda é a “alma” portenha e da nação argentina em matéria de futebol.
Na França, Mbappé, jovem, vinte e três anos de idade e que já foi campeão do Mundo em 2018, na Rússia, voltou a toda e seu objetivo é tornar a França bicampeã do torneio. Segundo o próprio, ele não se interessa em títulos como “Bola de Ouro” (para si). Ele quer que seu país vença a Copa e para isso ele está lá. Mbappé, aliás, tem uma velocidade incrível em campo. Atrás da bola, ganha de todos. Mas isto não significa que a seleção francesa dependa dele. O time tem excelente jogadores.
O que já não acontece com a seleção brasileira. Tem-se a impressão (e não é só impressão) que qualquer contusão de Neymar, o time fica perdido. E a crítica esportiva, em geral tem muita culpa nisso. Tudo bem que toda seleção tem seus craques. Mas a dependência com Neymar chega a ser exagerada. Isto deve afetar (ou oprimir) um pouco (ou muito) outros jogadores, desvalorizando-os. Bons tempos (como em 1958) quando da primeira Copa ganha em que o time brasileiro era considerado um “timaço”. Cada um, em sua posição era um carque. Quando um titular sofria uma lesão era imediatamente substituído por outro. Todos eram titulares, sem coadjuvantes.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.