Quem diria? Um Palmeiras com ligação na cidade

A memória é um instrumento fundamental repositório de fatos sucedidos, passados, e que surgem claramente quando se reportam a acontecimentos ocorridos recentemente. Como exemplo, assistimos agora a ascensão da Sociedade Esportiva Palmeiras, retornando à elite do futebol brasileiro. Após árdua batalha, com desmedida vontade o tradicional alvi-verde, de glórias mil irá, sem dúvida, deslumbrar seus milhões de torcedores, como tem feito nesses quase cem anos de existência.
Uma jornada, indiscutivelmente, inesquecível e sempre honrando a camisa, com futebol encantador, desenvolvido, emocionando e entusiasmando torcedores brasileiros e também estrangeiros.
Itapetininga não poderia ficar à margem desse verdadeiro campeão dos campeões, pois o nome do velho Palestra encontra-se inserido na memória e no coração de antigos e novos simpatizantes desta localidade e de várias comunidades da região.
Antes, bem muito antes, das denominadas arenas, existiam os campos ou pequenos estádios de futebol, como a Fazendinha do Corinthians, o Canindé da Portuguesa, o Caldeirão da Vila Belmiro, do Santos, o Macuco, do Jabaquara, o Parque Antartica do Palestra. Tanto que ser palestrino era executar qualquer função com extremada facilidade e precisão. Isto em qualquer cidade brasileira, pois até em Quatiguá, no Paraná, existiam dezenas de torcedores da camisa verde paulistana, e os meninos de 6 a 13 anos de idade, como alguns adultos, quando encarregados usavam taxativamente a expressão, “isto é canja pro Palestra”.
Esse era o sinônimo de força, tal como a equipe palestrina ou agora palmeirense, em Itapetininga tinha admiradores de todos os naipes e atingindo alto grau de admiração de paixão e até fanatismo, além de laços fortes com a entidade. Na rua Saldanha Marinho, próximo ao hoje Hotel Colonial, um filho de imigrante italiano, ainda relativamente jovem, proprietário da torrefação de café “Bourbom”, pertencia a diretoria do clube Palestra, e também um fiscal estadual, aqui trabalhando, também integrava a direção do atual Palmeiras. Sem esquecer que a totalidade da colonia torcia e vibrava pelo êxito do alvi-verde paulistano.
Torcedores apaixonados não escondiam seu amor pelo clube, destacando-se entre outros Milede Alguz, alfaiate de boa cepa e feirante na “Peixoto Gomide”; Pinhé, o Ernesto Lombardi, não medindo esforços para assistir jogos na capital; “Boia”, da familia Trevisani, ferroviário e ardoroso torcedor, em cujo túmulo encontra-se desenhado o emblema do Palmeiras; Jair Duarte, rodoviário; Vancley Sacco, competente dirigente escolar; Carlos José, valoroso radialista; além de Gilberto e Osni da Sabesp; Joaquim Fabiano, professor, José Rolim Pinto, ex-vereador e contabilista; Mingo Matarazzo, professor e funcionário da Segurança; Ari Codorna, do antigo Hotel Roma; Roberto Duarte, conhecido pela alta qualidade de produção dos mais famosos pastéis da cidade, que, em sua residência tem um quarto ornamentado com fotos, recortes de jornais e diversas camisas do Palmeiras, o Deputado Estadual Giriboni e José Rosa Seixas, diretor do Sindicato Rural.
O antigo Palestra, em agosto de 1942 passou a ostentar o nome de Palmeiras, em razão da 2ª Guerra Mundial, quando a Itália integrou o eixo Alemanha e Japão, inimigos dos aliados compostos dos paises Estados Unidos, França, Inglaterra, Brasil. Palestra ou Palmeiras, um clube que retorna com méritos próprios para a divisão especial do cenário futebolistico brasileiro, saudado pela enorme torcida de todo território nacional e, principalmente, pelos simpatizantes de Itapetininga.

Últimas

Etecs abrem inscrições para processo seletivo 2022

Etecs abrem inscrições para processo seletivo 2022

As inscrições para o processo seletivo das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) estão abertas para o ano letivo de 2022. Os interessados no devem se inscrever exclusivamente pela internet. As inscrições...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga