Recordando dois monstros do futebol

“Maradona, há poucos dias, em aparição na TV, surgiu lépido, esbelto e sagaz, exibindo na tela ‘uma barriga tanquinho’. E o nosso inigualável Pelé, inaugurou recentemente o seu Museu, que o perpetuará por toda a eternidade. E fica sempre a mesma pergunta : qual dos dois é maior?”

A oportunidade se faz presente, quando agora o universo se deslumbra nesta ocasião em que o Brasil realiza atualmente a Copa do Mundo , evento que monopoliza a atenção desde a mega metrópole, atingindo a mais humilde taba, localizada nos confins da face da terra.

É o glorificado futebol – em sua maior e fascinante festa do mundo – indiscutivelmente, unindo as pessoas em torno de sua comunidade e tornando-as mais democráticas no universo, em torno delas.

Assim dizia, com categoria, Pelé, que viu, e tem visto, como o esporte melhorou a vida de milhões de pessoas, “tanto dentro, como fora do campo”. Para ele (Pelé), pelo menos, “é por isso que o futebol importa”. Antes de Messi, antes de Ronaldo, Antes de Backham, o galã inglês ou Neymar Jr, o mundo conhecia Pelé, a estrela maior, permanecendo até os dias atuais em toda mídia, nacional ou internacional, como um dos maiores astros do esporte mais popular do planeta.

O atleta do século XX viajou o mundo como embaixador do futebol, promovendo as influências positivas que ele pode trazer aos jovens, nas comunidades mais carente e até a países distante. Pelé continua sendo um exemplo para o Brasil e parte do hemisfério terra, a mercê de sua atuação na área esportiva e na decência de sua personalidade, dignificando seu país, que defendeu com hombridade por longos anos.

Semelhante a ele, embora muito questionado, em razão de suas atitudes consideradas esdrúxulas, Diego Maradona, teve brilho quase igual ao atleta brasileiro. Sua passagem como gênio do futebol foi marcada por controvérsias e além de jogador, foi de técnico e partícipe em empreendimentos empresariais.

Maradona saiu de cena. Personagem patético do futebol. Pés que fizeram de um simples jogo, um campo imenso de sonhos. Maradona, inventor de emoções no mundo fugaz do futebol. Feitiço e poesia no grande e apaixonado círculo de tantos mundiais. Quanta ilusão, quanta vertigem no céu infinito de Maradona. Naturalmente todos gostariam, na certa, de dar na sua despedida, uma palavra de consolo. Seria um acento sentido de saudade. E diriam… vai rapaz. Recolhe-se ao desamparo de sua bola solitária ( como por certo, diria o grande e saudoso Armando Nogueira), feita de pluma e perfume.

Parafraseando o poeta: assim vamos ao desfecho trágico de seu devaneio. Lance a bola no espaço à procura de um bem sempiterno. E ela a você logo retornará, com um pouco de céu e inferno.

Maradona, há poucos dias atrás , em aparição na TV, surgiu lépido, esbelto e sagaz, exibindo na tela “uma barriga tanquinho”. E o nosso inigualável Pelé, inaugurou recentemente o seu Museu, que o perpetuará por toda a eternidade. E fica sempre a mesma pergunta: qual dos dois é maior?

Últimas

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Operação detém suspeito com droga na Vila Mazzei

Nesta quarta-feira, dia 16, durante patrulhamento da Operação Itapê + Segura, equipes da Guarda Civil Municipal de Itapetininga prenderam um suspeito nas proximidades de uma escola municipal na Vila Mazzei....

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Mangá: ícone pop da cultura japonesa

Por: Milton Cardoso Havia um enorme abismo cultural entre os imigrantes europeus e japoneses, mas a educação dos filhos era um ponto comum entre eles. Uma das prioridades era a...

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

Céu das Artes abre inscrições para cursos e oficinas

O Centro de Artes e Esportes Unificados em Itapetininga, mais conhecido como Céu das Artes, abriu desde segunda-feira, dia 14, inscrições para diversos cursos e oficinas, todos de graça, voltados...

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

A chegada dos imigrantes japoneses em Itapetininga

Milton Cardoso Especial para o Correio Há exatos 113 anos no porto de Santos desembarcaram do navio Kasato Maru 781 imigrantes japoneses, todos agricultores. Na bagagem traziam muitos sonhos: o...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga