RELIGIÕES OFICIAIS

O Estado brasileiro é, por definição legal, laico, não devendo interferir no livre exercício de quaisquer credos e cultos.
Na prática, tal laicidade é pouco praticada. Permitimos a venda de horários, na programação diária de emissoras rádios e TV.
Tal venda de horários representa a mercantilização de concessões públicas, por particulares, o que soa como rematado absurdo. Instituições religiosas, ao adquirem horários de maior audiência, angariam maior número de fiéis.
A própria concessão de emissora a instituição religiosa é controversa, e, por ser laico, deveria o Estado concedê-la a todas, ou a nenhuma. Conceder a apenas algumas é privilegiar credos.
Não podemos ignorar que muitas instituições religiosas manejam verdadeiras fortunas, devendo prestar contas ao fisco, tal qual quaisquer outras instituições. Se a fonte de recursos é difusa, representada por doações de fiéis, a destinação dos recursos tem valores e finalidades concretas, devendo ser devidamente escrituradas e demonstradas.
A sagrada e protegida liberdade de crença e culto não pode ser confundida com a liberdade de prometer o impossível, noticiar o fato não ocorrido e mercadejar o ingresso no céu. Pode soar estranho, mas o fiel de qualquer credo deve estar protegido pela legislação que protege o consumidor e qualquer incauto.
Sem qualquer intenção de censura ou policiamento, deve ser acompanhado o conteúdo de alguns programas religiosos de rádio e TV. Mesmo confiando no poder da fé, é interessante saber que, sem a identificação dos que testemunham, são noticiadas curas inimagináveis e enriquecimentos meteóricos.
A justiça brasileira já sentenciou a devolução de doações feitas de boa fé, por pessoas induzidas a tanto. Muitas vezes, as doações e ofertas ultrapassam a capacidade financeira do fiel, causando transtornos no ambiente e sobrevivência familiar.
São raros os municípios onde as sedes religiosas são obrigadas a respeitar o sossego público, pois a liberdade de culto não autoriza o barulho que incomoda toda a vizinhança. Deus não é surdo !
Nas campanhas eleitorais, a aproximação dos candidatos com templos e cultos soa ridícula, e um mesmo candidato consegue professar e ser fiel a todas as crenças. Passadas as eleições, raramente é visto em qualquer templo.
As religiões atuam positivamente na sociedade, com obras e providências que atenuam ou resolvem uma série de problemas humanos, seja em penitenciárias, creches, escolas, alimentação, profissionalização, socialização, etc. Muitos, que perderam o medo da polícia e o respeito às leis, não delinquem por apelo de Deus. Muitos, excluídos, encontram o respeito humano e a solidariedade nos ambientes religiosos.
As crenças são intocáveis, e dizem respeito a convicções íntimas, mas as igrejas são organizações humanas, sujeitas aos erros acertos da espécie.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga