Rosa tagarela!

Culpa de “Zás-trás”, minha mula-voadora! Não fosse a danadinha empacar bem em riba de um anel de Saturno, jamais minha cavalgada tomaria rumo tão estranho… E mula empacada é coisa séria, minha gente! Não tendo outra saída, como bom cavaleiro que sou, deixei que a muarzinha seguisse o rumo que quisesse… Ai de mim: a malvada acabou aterrissando num planeta esquisito que só vendo, onde vivem plantas falantes!
E, o mais grave, a minha chegada naquele cafundó do universo aconteceu justamente quando havia uma assembleia floral… Um jacarandá fortudo me deu as boas-vindas, disse-me com voz tonitruante, que eu podia ficar à vontade, que o seu povo sabe por intuição, quem é amigo do verde e eu era muito querido no lugar, todas as espécies liam minha coluna no jornal!
Carvalho, castanheiro, cedro, sibipiruna… Todos tinham ali o seu representante e, como “cochicho farfalhavam”! Nossa! A acácia, a tulipa, o malmequer… Que maravilha! Porém, a que mais chamava atenção era uma rosa! Isso mesmo, estimado leitor, uma rosa! Não porque fosse bonita, mas por ser tagarela! Até então, eu conhecia a rosa branca, a vermelha, a azul, a champanhe… Mas essa? Eca!
Não era uma rosa deslumbrante, como a gente vê nos sete cantos das galáxias… De jeito nenhum! Era uma “rosona” feia, mal desenhada pela mamãe natureza, de corpo espinhento, gorducha, olhos arregalados, careca, bocuda… Era tão feia que suas pétalas eram cinzas e murchas… Perfume? Nenhum! Inodora ao extremo! Mas, como falava! Talvez ela julgasse que tinha voz bonita, mas o seu falar era tão somente um esganiçado sem graça alguma… Coitadinha! Muitos, entre os outros vegetais, ali presentes, tapavam os ouvidos…
Bastava uma planta porta-voz de sua classe pedir a palavra, que a bocudona blablablá! E o seu discurso nada acrescentava à comunidade, apenas enchia linguiça… A mandrágora tentava discursar, mas ché, a rosa tagarela pegava o microfone e: “meus nobres pares…” e tascava o verbo, melhor, a lenga-lenga… A “plantaiada”, ouvia, ouvia quietinha, por educação, mas lá no seu íntimo, rezava para que uma praga apocalíptica provocasse uma dor de barriga tão forte, mas, tão forte, que a rosa tagarela nunca mais abrisse o bocão!
Eu assistia a tudo comovido, mas “Zastrazinha” fez sinal que tava na hora de partir… É pra já, pensei comigo! “Nunca mais eu quero ouvir essa rosa faladeira”! Credo em cruz!
E fui…

Últimas

Sorocaba ganha nova balada sertaneja nesta semana

Sorocaba ganha nova balada sertaneja nesta semana

“Sua balada ilimitada!”. É assim que os sócios da nova casa sertaneja de Sorocaba estão definindo o local. Instalada no tradicional prédio que abrigou o Tribeca Café nas décadas de...

PAT tem 106 vagas de emprego disponíveis

PAT tem 106 vagas de emprego disponíveis

Hoje, segunda-feira, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, por meio dos Postos de Atendimento ao Trabalhador (PATs) informa que há 106 vagas disponíveis no PAT em Itapetininga....

Junho fecha com saldo negativo de mais de 300 vagas

Junho fecha com saldo negativo de mais de 300 vagas

A cidade de Itapetininga teve no mês de junho queda no saldo negativos entre pessoas admitidas e desligadas. Respectivamente, 2.000 e 2.339 pessoas, o que representa 339 trabalhadores desempregados. O...

Centro Paula Souza abre inscrições para curso gratuito sobre criação de startups

MEC prorroga até hoje inscrições para o Prouni

O Ministério da Educação prorrogou por mais um dia as inscrições para o Programa Universidade para Todos (Prouni) deste segundo semestre, que estavam previstas para serem finalizadas nesta quinta-feira (4)....

Vitrine – Tradição

Opções culturais nesse final de semana

O quarteto musical Pedra Seca volta a se apresentar hoje no Center Park. Eles se apresentam a partir das 20h30 em um show com releituras das músicas do cantor e...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga