Seu Abelardo e sua gentileza

Nesses dias de pandemia, assistindo um filme numa das plataformas existentes, deparei-me com um interrogatório da inquisição, onde o juiz e seu assistente deixaram as inquiridas loucas, confundindo-as com suas perguntas sem nenhum sentido, fazendo-as confessarem serem bruxas, mesmo sem saberem o que significava o nome. Isso me fez lembrar o nosso Abelardo, aquela figura kafkiana de “O processo”, excêntrica, um verdadeiro inquisidor da idade média, que saindo de sua residência na rua Aristides Lobo, em frente à casa da família Salomão Abib, sempre encontra uma vítima para atormentar. Desta vez, próximo à sua residência parou um cavalheiro que passava naquele local e disse:

– “Desculpe, mas quanto o senhor pesa?”

– “Eu?” – perguntou o homem, que não entendeu o significado da abordagem.

– “Sim, o senhor”. Respondeu Abelardo.

– “Mas que interesse tem com isso? ” Que interesse tem para o senhor saber o meu peso”, repetiu o cidadão.

– “Que interesse tem para mim?”, disse Abelardo, dando mostras de admiração. – “Não sabendo quanto pesa, não posso sequer saber se me é possível levantá-lo com uma mão.”

– “Mas eu não quero que o senhor me levante com uma mão!” Gritou indignado o indivíduo. “Eu nem sequer o conheço!”

– “Não se zangue- protestou Abelardo. – “O senhor está no seu direito de não querer que eu o levante com uma mão e eu, então, levantá-lo-ei com as duas. Porém nunca me sucedeu que uma pessoa de bem, que vejo pela primeira vez na rua, pretenda que eu o levante coma as duas mãos. Ouça lá, o senhor era habituado a que os transeuntes o levantem com as duas mãos?”

– “Mas de modo nenhum!” berrou ele, perdendo a paciência.

– “Então só com uma” – concluiu Abelardo. – “Me desculpe, se não me diz quanto pesa, não posso levantar. O senhor desculpe mesmo.”

Parando outro transeunte que passava Abelardo disparou: “Diz o senhor que é mais robusto do que eu, que levanta este senhor só com uma mão!”

– “PQP! Vá para o inferno, você e os que lhe dão ouvidos! Gritou o indivíduo desatando a correr e desaparecendo no final da rua Monsenhor Soares.

– “Que tipo curioso” – disse Abelardo ao outro cidadão, que não entendeu nada do que se passava. – “Tem que ter paciência. Primeiro, queria que eu o levantasse com as duas mãos, depois só com uma, mas eu não me sinto capaz de fazer esforços esta manhã. E depois, uma pessoa que quer que os transeuntes a levantem deve ser doido varrido!”

Assim Abelardo, despediu-se, abanou a cabeça, cumprimentando a todos que presenciaram a cena e afastou-se tranquilamente.

Últimas

Pessoas de 57 anos ou mais serão vacinadas hoje

Prefeitura divulga novo cronograma de vacinação

TERÇA-FEIRA – 03 DE AGOSTO 1ª DOSE 24 ANOS OU MAIS – Pessoas sem comorbidades (Drive-thru e a pé nos dois pontos de vacinação) Atende Fácil da Prefeitura e Ginásio...

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

Isabelly vibra com sucesso das “minas” no skate

A skatista itapetiningana Isabelly Ávila, de apenas 16 anos, por pouco não se classificou para as Olímpiadas de Tóquio, mas mesmo de longe, segue torcendo pelos atletas estreantes da modalidade...

HLOB está com 100% de ocupação nos leitos para Covid

Hospital de Campanha e UTI do HLOB estão100% ocupadas

A UTI Respiratória do Hospital Léo Orsi Bernardes (HLOB) e o Hospital de Campanha Interno estão 100% ocupados. Preparada para receber pacientes infectados com a Covid-19, a UTI recebe pacientes...

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Bolsa Família injeta R$ 5,37 milhões na economia

Itapetininga recebeu no primeiro semestre, por meio de repasse do Programa Bolsa Família cerca de R$ 5,37 milhões. A informação é do portal de transparência do Governo Federal. Este valor...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga