Seu Abelardo e sua gentileza

Nesses dias de pandemia, assistindo um filme numa das plataformas existentes, deparei-me com um interrogatório da inquisição, onde o juiz e seu assistente deixaram as inquiridas loucas, confundindo-as com suas perguntas sem nenhum sentido, fazendo-as confessarem serem bruxas, mesmo sem saberem o que significava o nome. Isso me fez lembrar o nosso Abelardo, aquela figura kafkiana de “O processo”, excêntrica, um verdadeiro inquisidor da idade média, que saindo de sua residência na rua Aristides Lobo, em frente à casa da família Salomão Abib, sempre encontra uma vítima para atormentar. Desta vez, próximo à sua residência parou um cavalheiro que passava naquele local e disse:

– “Desculpe, mas quanto o senhor pesa?”

– “Eu?” – perguntou o homem, que não entendeu o significado da abordagem.

– “Sim, o senhor”. Respondeu Abelardo.

– “Mas que interesse tem com isso? ” Que interesse tem para o senhor saber o meu peso”, repetiu o cidadão.

– “Que interesse tem para mim?”, disse Abelardo, dando mostras de admiração. – “Não sabendo quanto pesa, não posso sequer saber se me é possível levantá-lo com uma mão.”

– “Mas eu não quero que o senhor me levante com uma mão!” Gritou indignado o indivíduo. “Eu nem sequer o conheço!”

– “Não se zangue- protestou Abelardo. – “O senhor está no seu direito de não querer que eu o levante com uma mão e eu, então, levantá-lo-ei com as duas. Porém nunca me sucedeu que uma pessoa de bem, que vejo pela primeira vez na rua, pretenda que eu o levante coma as duas mãos. Ouça lá, o senhor era habituado a que os transeuntes o levantem com as duas mãos?”

– “Mas de modo nenhum!” berrou ele, perdendo a paciência.

– “Então só com uma” – concluiu Abelardo. – “Me desculpe, se não me diz quanto pesa, não posso levantar. O senhor desculpe mesmo.”

Parando outro transeunte que passava Abelardo disparou: “Diz o senhor que é mais robusto do que eu, que levanta este senhor só com uma mão!”

– “PQP! Vá para o inferno, você e os que lhe dão ouvidos! Gritou o indivíduo desatando a correr e desaparecendo no final da rua Monsenhor Soares.

– “Que tipo curioso” – disse Abelardo ao outro cidadão, que não entendeu nada do que se passava. – “Tem que ter paciência. Primeiro, queria que eu o levantasse com as duas mãos, depois só com uma, mas eu não me sinto capaz de fazer esforços esta manhã. E depois, uma pessoa que quer que os transeuntes a levantem deve ser doido varrido!”

Assim Abelardo, despediu-se, abanou a cabeça, cumprimentando a todos que presenciaram a cena e afastou-se tranquilamente.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 997

CORREIO POLÍTICO 997

Exército Após o final do prazo para a filiação de possíveis candidatos, continua a corrida atrás de partidos políticos. Um número maior de partidos traz mais candidatos a vereador e...

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.