Simpatia é quase…

Estava eu no Rio de Janeiro, em 18 de fevereiro de 2006, num sábado, quando houve o “mega show” dos Rollings Stones nas areias de Copacabana, previsto para mais ou menos um milhão de pessoas. Apesar do alvoroço reinante na cidade, não estava “nem aí” para a apresentação da famosíssima banda de “rock and rool” inglesa. Meus conhecimentos (e gosto) por este ritmo são restritíssimos. Começam e terminam nos primeiros gingados do norte-americano Elvis Presley entre o final de 1956 e início de 1957, começo do rock, portanto. Minha estadia na “belacap” (era assim que chamávamos o Rio na década de sessenta) era de poucas horas, nem um dia inteiro, e queria aproveitá-las da melhor maneira possível. Afinal Rio é Rio, apesar de tudo. E fizemos isso na parte da manhã com um grupo daqui de Itapetininga. Fomos do centro da cidade para um circuito cultural e começamos no Cuco do Teles onde situa-se a Travessa do Comércio e entre as casas, chegamos naquela que morou a cantora Carmen Miranda, com sua família, bem no início de sua carreira artística na radiofonia carioca (antes, bem antes de Hollywood, USA). Depois, ruas imperiais e depois, ainda sob o signo do Império: a Sete de Setembro, Ouvidor, Gonçalves Dias e… a Confeitaria Colombo (oh!) com todo o seu estilo “art-deco”. Também fomos na Praça Tiradentes, a dos Teatros e por aí.

Chegamos na Cinelândia, na Biblioteca Nacional (cujos anteriores aparecem muito na televisão). Andamos na Rua da Carioca, onde alguns casarões continuam intactos e belos. Depois, separei-me momentaneamente dos meus conterrâneos e segui para a pra de Ipanema, mas para ir até lá teria que passar por Copacabana (de ônibus, lógico), que seria o local da grande apresentação dos Rollings Stones. O problema estava ali. Meti-me num ônibus sabendo que ia ficar muito tempo nele. E fiquei. Para “matar” tal tempo ia observando o cenário carioca num calor de 35 graus. Nas travessas, tribos de todo o Brasil (com bandeiras de seus estados) chegaram para assistir os acrobáticos moços dos Stones. Eram muitos os sotaques, cores, cheiros nacionais. Queria chegar o mais rápido possível em Ipanema para ver o ensaio do bloco carnavalesco “Simpatia é Quase Amor” que naquele ano, 2005, levava consiga de 10 a 15 mil foliões cantando saborosas marchinhas carnavalescas (hoje, o bloco leva uns 100 mil”).

Homens, mulheres, velhos, jovens, crianças, bebezinhos de colo, todos da bateria do “Simpatia” cantando Alalaôôôôôôô… Era este o Rio que também queria ver.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga