SOCIEDADE SEM VALORES

Integramos o seleto grupo de pessoas que acabaram por conviver amigavelmente com tecnologias e conceitos dos novos tempos, apesar das discordâncias e desconhecimentos de sempre.
Na área tecnológica, sabemos acionar com desenvoltura o comando On – Off, além de regular o som dos equipamentos. Só.
É incômodo e infrutífero tentar entender como um minúsculo equipamento, menor que um dedinho, pode armazenar tantas informações, e transferi-las a outra engenhoca, mediante uma simples acoplagem.
A ciência evoluiu com demasiada rapidez, e restou, à maioria das pessoas, a sina de utilizar e conviver, sem nada entender. Alguns, por pobreza ou inconformismo, conseguem conviver sem utilizar.
Já comemoramos a utilização da fotografia, mágica que transfere com fidelidade a imagem a um papel, e saudamos, como mágica maior, o advento do xerox, inclusive colorido. Agora, qualquer imagem é transferida, com fidelidade, a pessoas que se encontram a continentes de distância, com um simples clicar de celular ou computador.
Na área médica, descobrimos que integramos uma geração potencialmente fadada ao extermínio. Utilizávamos, sempre, tênis de solado reto, e ficávamos horas e horas ao sol sem qualquer protetor.
Sabemos que é um direito de todos a busca da felicidade, modificando algumas características físicas que deprimem a autoimagem. Assim, um nariz que impossibilita o simples tomar de um cafezinho, na xícara, pode e deve ser corrigido, pois é incômodo operar tão trivial operação com o auxílio de um canudinho.
O que não entendemos é o contexto psicológico de pessoas que colocam 5 quilos de silicone no traseiro e 4 quilos em cada mama, e acabam virando celebridades, nos programas de TV. Também é difícil aceitar a tese de que piercings, no olho, língua ou nariz, nada incomodam.
Nas relações sociais, passamos a cultuar o coitadismo e a sobrevalorização do contexto individual, ainda que em prejuízo de muitos. Um só aluno, “dimenor”, pode atrapalhar o aprendizado de centenas de colegas, e arrasar o ambiente escolar, mas só será reprimido após uma longa e morosa análise de seu ambiente familiar e realidade social. A solução, via de regra, só é encontrada em meio à continuidade do nefasto comportamento.
A sociedade ainda não conseguiu encontrar soluções práticas para menores, não contidos pelos pais, que perderam o medo da polícia, o temor a Deus e o respeito aos direitos alheios. Ao invés de isolá-los do convívio social, até que assumam novos comportamentos, optamos por ordenar, à sociedade, o paciente e tolerante convívio.
É difícil entender e assimilar o contexto de leis meramente figurativas, raramente cumpridas, e o crescente hábito do não exercício da autoridade, que cada vez mais alterna abuso e omissão.
A sociedade, que caminha a passos largos para a tecnificação, engatinha no contexto das relações humanas, e são poucas as instituições que inspiram respeito e credibilidade. Dependemos, cada vez mais, do heroísmo de iniciativas e posturas individuais, e acabamos por endeusar pessoas que nada mais fazem que cumprir seus deveres, de funcionário ou cidadão.
A sociedade parece marginalizar qualquer conceito ou tradição, ficando repleta de modismos, conduzida por valorações imediatistas da mídia. Somos conduzidos, como uma boiada qualquer.

Últimas

Cidade tem 25 mortes em sete dias e UTIs estão 100% lotadas

Cidade registra 24 mortes em apenas dez dias

Os primeiros dez dias do mês de junho registram uma marca preocupante, a cidade confirmou 24 mortes em decorrência da Covid-19 e 579 novos casos. Nesta quinta-feira, dia 10, o...

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

Modelo denuncia racismo em oferta de trabalho

A modelo e estudante de fisioterapia Bruna Campos denunciou uma situação de racismo que sofreu durante uma oferta de trabalho. Ela combinava, pelo whatsapp, detalhes de um trabalho freelancer que...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga