Um hiato em nossas tradições

Cai cai balão
Cai cai balão
Aqui na minha mão
–//–

Acende a fogueira Yayá
Acende a Fogueira Yoyô
–//–

Com a filha de João
Antônio ia se casar
Mas Pedro fugiu com a noiva
Na hora de ir para o altar
–//–

Capelinha de Melão
É de São João
É de cravo é de rosa
É de manjericão

Canções alegres, brejeiras, ingênuas e deliciosas, todas dedicadas exclusivamente à época das festas do mês de junho e início de julho, quando se comemoravam com paixão devoção e amor o dia desses demiurgos e simpáticos santos.

Nesse agradável mês de junho, , a cidade exultava de plena satisfação com as tradicionais festas e bailes que se realizavam não só nos clubes, como em toda a zona rural e casas particulares.

Fogos de artifício, rojões espocavam no céu, bombinhas e busca-pés, provocavam o frenesi nas jovens. A indefectível fogueira estava presente em quase todos os festejos e a revolucionária “quadrilha” constituía-se na sensação maior.

Todos vestidos a caráter, trazendo no rosto a expressão de completa felicidade. No Largo dos Amores, principal e local de encontro dos itapetininganos em todas as ocasiões, o alto-falante, colocado no prédio Guidugli (hoje todo azul), transmitia músicas atinentes aos Santos de junho. Todos os clubes locais “Venâncio”, “Recreativo” e “13 de maio”, promoviam característicos bailes, sendo os conjuntos musicais um “espetáculo à parte” diante da alegoria que proporcionavam à medida que executavam as músicas típicas.

Tudo isso, acompanhado pelas quadrilhas – damas de salão em que tomam parte várias turmas de pares. Um dos principais conhecedores, “professor” e organizador de “quadrilhas” era o conhecido Máximo Garrido, fundador da Vila Máximo e pai do empresário Clodoaldo Gomes.

Havia em qualquer festa junina as barracas que ofereciam comidas típicas e toda decorada com bandeirinhas ostentando as figuras dos santos homenageados. Em Itapetininga, na década de 1940, um ferroviário residindo na Lagoa Seca, final da rua Dr Coutinho, frente à sua residência, oferecia a toda a população local e a qualquer pessoa “grande festa junina”. Com placo armado no centro da rua – aproximadamente onde hoje está instalada a Igreja Assembleia de Deus – e o conjunto musical animava o evento, distribuindo guloseimas e bebidas em profusão. Eram centenas e centenas de pessoas que iam prestigiar o acontecimento. Ele, de nacionalidade portuguesa, proclamava que “a festa era uma homenagem a Santo Antônio, São João e São Pedro, pela sua felicidade e felicidade do povo itapetiningano”.

Nesta sexta feira, 12 de junho, Dia de Santo Antonio, o santo casamenteiro, muitos ainda se recordam das festas que eram realizadas nas chácaras que existiam nas proximidades do Rio Itapetininga e Chapadinha, respectivamente de Fauzi Aborarrage e Chaquibe Ozi, em homenagem aos “Pedros” de toda Itapetininga.

Seria leviano dizer que não existiram mais grandes festas em nossa cidade, até o ano passado . Alguns costumes e tradições permaneceram intactos, outros foram se transformando e, na maioria dos casos, as paróquias católicas, em parceria com empresas patrocinadoras, é que realizavam as nossas festividades de juninas.

Neste ano, em conseqüência à Pandemia do Coronavirus, junho e julho serão diferentes, não mais cantaremos as velhas canções juninas, não mais dançaremos a quadrilha ou pularemos as fogueiras , nem assaremos milho nelas. As festas só poderão ser através de aplicativos na internet, onde as pessoas façam seus lives, e curtam e compartilhem pelos seus perfis, ou, como recentemente, realizou a paróquia da Catedral, festa em Drive True. Triste realidade onde teremos de reinventar nossos costumes e nossas tradições.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga