Voltando ao trabalho

Acabou o carnaval !
De quarta a domingo, é o período de concentração para o trabalho de segunda-feira, que por uma tragédia do destino não é feriado.
A TV aberta prepara a pauta dos próximos dias, quando o país retomará as cenas de nosso dia-a-dia, com os escândalos e privações de sempre.
O carnaval deixou de ser o reinado de Momo, e mais parece propaganda do Proálcool. É estranha a festa popular onde a tradição e a alegria são embaladas, na maioria das vezes, pelas bebidas vendidas e consumidas à farta.
Aquelas brincadeiras de outrora, com bisnagas e bexigas cheias de água, e salões repletos de confetes e serpentinas, ao som de marchinhas centenárias, parecem que já não existem.
Para os idosos, é preciso muita precisão na dosagem do copo. Se beber pouco, pula sem desenvoltura, e se exagerar na dose, dorme.
Aos que não festejaram o carnaval, a TV ofereceu pelo menos duas opções: a transmissão dos desfiles, animadíssimos quando a câmera era ligada, e as pregações dos canais religiosos.
O carnaval dita a moda. Mulheres de corpo bem torneado e homens exageradamente musculosos. É normal a confusão de imagens, e uns parecem os outros.
Nas escolas de samba, as homenagens e temas parecem encomendados, e dizem as más línguas que resultam de patrocínios. Parece existir mais busca de status que demonstração de espírito carnavalesco, em muitos dos que passam, sorridentes, na avenida.
Nenhuma vidente foi capaz de prever que, por todo o país, um japonês, aquele da Federal, seria tão lembrado e homenageado. Foi um carnaval econômico, pela diminuição de verbas e contenção de publicidades.
A crise, contudo, não esmoreceu a multidão de colaboradores anônimos, verdadeiros artistas que, ao longo do ano, produzem fantasias, adereços, carros alegóricos e muitos ensaios, que desaguam na avenida, encantando multidões.
Ainda existem, cada vez menos, alegrias e brincadeiras não etílicas, principalmente nos ritmos regionais, em rincões onde o espírito carnavalesco é mais espontâneo, e reina mesmo sem a transmissão pela mídia.
Já não somos o país do carnaval, assim como já não somos o país do futebol. Continuaremos, para sempre, sendo o país que cultua feriados, destina grande parte da poupança popular ao custeio de celulares, consome quantidades crescentes de bebidas alcoólicas, arrisca a sorte em loterias e ainda ri.

Últimas

Itapetininga tem quase 300 casos de dengue confirmados

Cidade registra 450 casos de Dengue em uma semana

Itapetininga registrou 450 novos casos de Dengue em uma semana. Ao todo, a cidade confirmou neste ano 1.531 casos positivos da doença. Um único caso de Chikungunya foi identificado em...

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Queimadas aumentam em mais de 30% em 2024

Em Itapetininga, nos primeiros quatro meses do ano, houve um aumento de 30% nos registros de queimadas em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com os...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.