A desejada

Mais que todas as idades, a terceira também chamada de “melhor idade”, não consegue disfarçar sua ansiedade em poder esticar o braço (esquerdo ou direito?) e sentir a salvadora picada (bem leve!) de um aparelho que contem em seu interior a substância que irá dificultar em muito que este grupo adquira o tenebroso Covid-19, pelo menos por um bom tempo (não se sabe quando ainda). E tomada a primeira dos,e espera-se a segunda (num prazo máximo de 28 dias, pelo menos não mais que isso!). Daí a terceira (idade) vai deixando de ser considerada “grupo de risco”, um termo “palavrão mesmo” que aterrorizou os chamados idosos, desde março de 2020, no Brasil. Daí, estaremos voltando a vida quase normal, desde que aja vacina para todos. Aos poucos, poderemos, nós, os mais velhos, saímos às ruas ainda com mascaras (que atrapalha nossa respiração), mas sem o mesmo temor de contaminação, como antes. O “normal” ainda irá demorar um pouco mais. Este vírus ainda é um mistério pela Medicina (apesar de conseguirmos uma vacina em menos de um ano, impossível em outros tempos).

No “normal” poderemos interagir com membros da família, relacionar com amigos e conhecidos e até permitirmos ficar numa (ainda) pequena aglomeração de humanos. Aos poucos, é verdade. Quando tudo isso for possível, a terceira (e demais idade), excluindo os jovens que não pararam suas atividades e crianças, por serem intocáveis. Poderemos voltar a circular livremente aqui em Itapetininga. Por exemplo: Frequentar os sérios espetáculos proporcionados pelo teatro do Sesi, em vila Rio Branco (que saudades!), participar dos deliciosos almoços, aos domingos, em entidades próprias como a “Associação do Bem Viver”, próxima a Itaúto, na Avenida José de Almeida Carvalho. Também assistir os saraus culturais que pontificam na cidade, participar de reuniões, frequentar restaurantes sem a rígida separação de mesas, escutar rádios e assistir televisão sem precisar ouvir e ver aquela avalanche de mortes causadas pela pandemia. Ir até as agências de viagens e escolher pontos turísticos brasileiros (no Exterior, se pudermos, pois o dólar está pela “hora da morte”).

E tantas outras coisas que deixamos de fazer. Tantas. Não foi fácil. Que os desempregados encontrem empregos. Que o auxilio emergencial, continue. É uma obrigação. E que os funcionários públicos estaduais e federais lutem por melhores condições financeiras (aumento de ordenado mesmo!) já que com a propalada “reforma da previdência”, os governos estaduais (pelo menos aqui em São Paulo) e federal diminuíram e muito, os já parcos salários do funcionalismo.

Últimas

Peça “Os malandros” estreia nesta segunda-feira

Espetáculos teatrais retornam com sucesso

Nesse final de semana, dois grupos teatrais da cidade estarão em cartaz. No Jardim Marabá, o auditório Municipal apresenta “Os Malandros”, produzido pela cia Tapanaraca Mutatis Mutandis. O musical será...

Professores dão dicas para segundo dia de provas

Professores dão dicas para segundo dia de provas

No próximo domingo (28), os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 farão as provas de matemática e ciências da natureza. Para se sair bem, professores entrevistados recomendam...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga