Convém não esquecer

Não existe um padrão de comportamento e estilo para nossos administradores eleitos, de prefeitos a presidente.

De Jânio a Dilma, de FHC a Bolsonaro, cada qual caminha por entre intuições e filosofias, imprimindo personalidade a posturas e pronunciamentos. Ao longo das gestões, a população aprende as características e estilos de cada administrador.

Bolsonaro sofre marcação cerrada, tanto da oposição sempre disposta a emprestar a pior das versões a cada frase, quanto de significativa parte da imprensa, em severo jejum de verbas oficiais, desde a posse. O presidente sempre busca amenizar a primeira fala, quando retorna a qualquer tema.

Informalmente, e a duras penas, Bolsonaro tem promovido uma revolução no relacionamento entre os poderes, até então marcado por um ambiente prostituído por barganhas indecorosas e venais. O envio de projetos já não é seguido por tentativas desesperadas e pouco éticas de apoio parlamentar, como se os temas interessassem unicamente ao Executivo e seu titular.

A falta de oferta de cargos e estruturas oficiais a serem loteadas tem gerado reações as mais diversas, que vão de apoios incondicionais a posturas raivosas e oposições episódicas e circunstanciais. Tal fato tem causado o surgimento de lideranças conscientes das responsabilidades legislativas, que tomam para si o destino das propostas que interessam ao país.

A atual gestão assentou bases na Economia e na Justiça, com titulares e equipes reconhecidamente competentes. Falta-lhe, ainda, estender tais primados à área Ambiental e Política Externa.

Aos trancos e barrancos, afagos e cotoveladas, o país começa a seguir rumo ao soerguimento, tirando-nos da cruel situação em que fomos metidos.
A agenda conservadora, aliada à ressuscitação de alguns valores e costumes de que andávamos carentes, vem sendo incrementada não por proibições, mas pela crescente ou total retirada de estímulos oficiais, a tudo o que fosse rotulado como arte, criação ou postura politicamente correta. Postulados econômicos, que progrediram povos, começam a ser retomados.

O país conta com estruturas de pesos e contrapesos, capazes de impedir o desvirtuamento de poderes e poderosos, aí incluídas as manifestações de rua e pronunciamentos acreditados.

Continuamos todos no mesmo barco, e convém remarmos para o mesmo lado.

Últimas

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Câmara cassa mandato do vereador Codorna

Na última quinta-feira, dia 22, em Sessão Extraordinária realizada na Câmara Municipal de Itapetininga (CMI), 15 dos 19 vereadores votaram pela cassação do mandato do parlamentar de oposição Eduardo Codorna...

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

Prefeitura promove Campanha com exames de Hepatite B e C

No mês em que é celebrado o “Dia Internacional do Combate às Hepatites Virais”, a Prefeitura de Itapetininga, por meio da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância Epidemiológica promovem...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga