Natal diferente

Os finais de anos são pródigos em promessas e juras, quase sempre descumpridas.São comuns as promessas de dar um basta aos vícios, emagrecer, retomar as visitas aos pais, tornar inútil o cartão de crédito, jogar fora o CD de Funk, passar um ano sem novos piercings e tatuagens, caminhar, não mais desejar a mulher do próximo, e tantas outras posturas.
O ambiente natalino e o encerramento do ano estimulam a noção de uma anistia ampla, como que zerando as falhas cometidas e autorizando planos os mais diversos. A ocasião é apropriada a revisão de comportamentos, e muitos conseguem, de fato, incrementar a solidariedade e o esforço pessoal.
O contexto selvagem em que vivemos, alternando sentimentos e ações beneméritas com comportamentos de barbárie, é minimizado por períodos festivos e solidários. A tendência histórica é que os primeiros dias de janeiro dissipem a aura de bondade, recém nascida em fins de dezembro.
Para a maioria dos brasileiros, a virada do ano é vista como a chegada de um período de dificuldades. A inflação, ainda não sentida pelas novas gerações, tende a aumentar, e o desemprego, maior chaga social, já ronda o dia-a-dia de milhões de famílias.
A economia encontra-se decadente, e preparamos a crise de amanhã, pela inibição de investimentos. O espírito natalino e as esperanças naturais dos finais de anos parecem impotentes, para animar até otimistas incuráveis.
As baixarias e descréditos do ambiente político não alimentam esperanças, e Papai Noel vai estranhar a generalizada expectativa de má notícias.
O Natal, entretanto, continua sendo uma data festiva, às crianças que ainda acreditam no bom velhinho, às pessoas que homenageiam o aniversariante, e aos cervejeiros e churrasqueiros de sempre.
O Natal, como toda data intensamente comemorada, mais uma vez apresentará as consequências da idiotia humana, com acidentes envolvendo motoristas embriagados e violências pouco civilizadas.
Mais uma vez, fogos de artifício permitirão a localização de idiotas capazes de atormentar animais domésticos e causar acidentes os mais diversos. Cientistas de todo o mundo tentam, sem sucesso, descobrir um único aspecto positivo e civilizado em rojões e bombas.
Não convém o pessimismo, em artigos de véspera de Natal. É verdade que a situação não anda boa, mas devemos ter esperanças, pois tende a piorar !
O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

Últimas

CORREIO POLÍTICO 1012

CORREIO POLÍTICO 1012

Presidente Lula na região Na próxima terça-feira, dia 23, o presidente Lula estará na nossa região, em visita ao Campus Universitário Lagoa do Sino, da Universidade Federal de São Carlos...

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Curso superior gratuito paralisa sua expansão

Nos últimos oito anos, a expansão dos cursos gratuitos de graduação da Fatec e do IFSP foi paralisada em Itapetininga. No período, ex-prefeita Simone Marquetto (MDB), que governou a cidade...

Justiça Eleitoral paulista fará transmissão de boletins de urna por satélite nas Eleições 2022

TSE divide R$ 4,9 bi a 29 partidos políticos

Com R$ 4,9 bilhões, o Fundo Especial de Campanha já tem o destino certo dos valores para cada partido político no Brasil. Como já era projetado, o PL e o...

Instalação de curso  de Medicina é marco

Instalação de curso de Medicina é marco

A educação de nível superior registrou um forte avanço na gestão Simone Marquetto com a abertura do curso de Medicina do campus da Universidade São Caetano do Sul (USCS). A...

mais lidas

Assine o Jornal e tenha acesso ilimitado

a todo conteúdo e edições do jornal mais querido de Itapetininga

Bem vindo de volta!

Faça login na sua conta abaixo


Criar nova conta!

Preencha os formulários abaixo para se cadastrar

Redefinir senha

Por favor, digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.